domingo, 14 de outubro de 2018

Cinza duma esperança




Por JORGE LAGE








Cinza duma esperança

Passa o tempo eternamente,
Mas passa tão apressado,
Que o futuro é já presente,
E o presente é já passado

Neste vaivém inseguro,
Vai vivendo toda a gente,
À espera do futuro,
Para morrer no presente.

Não sou moço nem criança,
Já vou tocando no fim,
Sou cinza duma esperança,
Que morreu dentro de mim.

Em homenagem aos nossos emigrantes - John Teixeira de Medeiros, poeta e escritor emigrante açoriano, em Fall River Heritage State Park, Massachusetts, in Comunidades Portuguesas nos USA.

Jorge Lage – jorgelage@portugalmail.com –25AGO2018

Provérbios ou ditados de Julho:
       Tirar a castanha do fogo com a mão do gato.
       Quem planta no Outono leva um ano de abono.
       Elogio que nos é dado, quanto menos merecido, mais apreciado.
Jorge Lage – jorgelage@portugalmail.com – 25AGO2018

Sem comentários:

Enviar um comentário