terça-feira, 29 de setembro de 2020

Durão Barroso nomeado presidente da Aliança Global para as Vacinas

Durão Barroso iniciará funções como presidente do Conselho de Administração da GAVI em janeiro de 2021, substituindo a economista e antiga ministra das Finanças da Nigéria Ngozi Okonjo-Iweala, cujo mandato termina em dezembro deste ano. O cargo não é remunerado.

Entre os fatores decisivos para a escolha de Durão Barroso, a Comissão de Investigação do Conselho destacou o seu "notável estatuto e experiência, o seu historial como líder, a sua vasta experiência na presidência de Instituições com múltiplos 'stakeholders' e o seu empenho na cooperação internacional".

Em declarações citadas pelo comunicado da GAVI, Durão Barroso afirmou que, no momento da pior pandemia do último século, "o mundo precisa agora mais do que nunca da GAVI, tanto para assegurar que as vacinas covid-19 cheguem a todos os países, ricos e pobres, como para prosseguir com a sua missão principal de proteger centenas de milhões de pessoas contra doenças evitáveis".

A GAVI é uma parceria público-privada que ajuda a vacinar metade das crianças do mundo contra algumas das doenças mais mortíferas. Desde a sua criação em 2000, a GAVI ajudou a imunizar mais de 760 milhões de crianças, evitando, assim, mais de 13 milhões de mortes, e reduzindo para metade a mortalidade infantil em 73 países em desenvolvimento.

A organização reúne governos tanto de países em desenvolvimento como de doadores, a Organização Mundial de Saúde, a UNICEF, o Banco Mundial, a indústria de vacinas, agências técnicas, a sociedade civil, a Fundação Bill & Melinda Gates e outros parceiros do setor privado.

Nos últimos anos, sob a liderança da nigeriana, a GAVI enfrentou com sucesso o surto de Ébola na República Democrática do Congo e contribuiu também para a luta contra a poliomielite em África.

Na Cimeira Mundial de Vacinas, em junho, conseguiu assegurar o montante histórico de 8,8 mil milhões de dólares em fundos.

Ainda de acordo com o comunicado, mais recentemente, a GAVI desempenhou um papel central na conceção da instalação COVAX, que visa assegurar o acesso global e equitativo às vacinas covid-19, uma vez que estas estejam disponíveis.

O processo de seleção começou em outubro de 2019 e foi conduzido por uma Comissão de Investigação presidida pelo antigo vice-presidente do Conselho, Bill Roedy. Antes de tomar a decisão final, a Comissão envolveu 115 candidatos num vasto espetro de experiências e antecedentes.

FONTE: https://www.dn.pt/mundo/durao-barroso-nomeado-presidente-da-alianca-global-para-as-vacinas-12772618.html

 

Exposição "José Augusto Coelho"

Cara (o) Associada (o)

 
Vem a Direção da CTMAD, a pedido da Junta de Freguesia de S. Domingos de Benfica, na pessoa do seu Presidente António Cardoso, que tem a honra de convidar para visitar da Exposição Diálogos com natura, por José Augusto Coelho.

 
 Num universo de ideias e consensos, a cor e a fantasia entram em diálogo num dueto Figurativo/Abstrato, onde a tónica dominante é a geometria intuitiva, sustentada num imaginário, quando vagueio no deslumbramento da natureza. É assim que José Augusto Coelho, freguês de São Domingos de Benfica, define o intimismo da sua postura estética.
 
Diálogos com Natura , cuja curadoria está a cargo de Olga e Sousa, pode ser visitada de 24 de Setembro e 31 de Outubro no Fórum Grandela.

A inauguração foi a 24 de setembro. Todas as medidas de segurança no âmbito da Covid-19 da doença devidamente implementadas, tendo que cada visitante restringir o distanciamento social e trazer consigo a sua máscara de proteção individual que deve utilizar durante todo o evento.

Agradecendo a sua presença em resposta a este e-mail ou através do número 21 1509541 ou pelo e-mail:  geral@jf-sdomingosbenfica.pt
 
A Direção da CTMAD
Saudações transmontanas,

Casa de Trás-os-Montes e Alto Douro
Tel: 217939311 Tlm: 916824293
Campo Pequeno, 50 - 3º Esq.
1000-081 Lisboa
http://ctmad.pt/

domingo, 27 de setembro de 2020

Vale de Ladrões


“ No regresso a Lagoaça e na zona de “Vale de Ladrões”, mais ou menos a 6 Kms de casa, os machos dão sinais, que o Avô Martinho identificou como sendo um assalto.

Eram 10,30 da manhã. O nevoeiro era muito intenso na zona e com muito pouca visibilidade.

O Avô Martinho ia a cavalo no macho que transportava o peixe e o neto Tonho no macho que transportava as outras mercadorias, mas preso com as rédeas ao macho do Avô.

De repente e do meio do nevoeiro e a poucos metros onde se encontravam, ouve-se uma voz grossa:

-Alto aí caralho, isto é um assalto!

O Avô Martinho habituado que estava a este tipo de situações sempre que passava em “Vale de Ladrões”, respondeu ao assaltante:

-Olha lá ó Pé de Cabra, sei que és tu que estás aí, pois já te conheço como as palmas das minhas mãos. Dinheiro num tenho. Se queres dou-te meia dúzia de sardinhas para matares a danada. Se continuas a perseguir-me estou com a “estupeta” armada, dou-te dois tiros nos cornos e vais grunhir para o pé dos anjinhos.

O Pé de Cabra acabou por aceitar as sardinhas e lá foi para os lados das Quintas matar a danada”.

 

Excerto de texto do livro “Conversas de viagens”, já no prelo, de Elmiro de Jesus Barbeiro, aposentado como Director do Banco Comercial Português.

Os guetos brancos da nova África do Sul



http://pt.euronews.com/2013/12/08/os-... Na África do Sul, 19 anos após o fim do apartheid, o racismo faz a sua reentrada, passo a passo e pela porta oposta àquela por onde saiu. Em Coronation Park, um bairro de lata dos arredores de Joanesburgo, vivem 300 pessoas, entre as quais, 75 crianças - todas brancas. Sem eletricidade nem água corrente, os habitantes de Coronation Park atribuem a sua miséria à crise mas também à discriminação positiva imposta no país. "Lamento dizê-lo, porque isto é racista, mas eu não sou racista, mas os negros estão em primeiro lugar, depois vêm os brancos. E mesmo brancos com elevadas qualificações não conseguem um lugar de responsabilidade na África do Sul", lamenta uma habitante do bairro.



De facto, na África do Sul, em nome da "emancipação económica dos negros" estes são prioritários no acesso aos empregos, mesmo que tenham menos qualificações do que os brancos que aspirem ao mesmo posto. Um homem explica: "O apartheid foi um problema mas a verdade é que este é o único país do mundo onde a maioria tem direito a 'discriminação positiva'. A 'discriminação positiva' existe na América e em muitos outros lados, mas este é o único país onde ela se aplica à maioria." Sigam-nos: No YouTube:
http://bit.ly/zYBTAR No Facebook: http://www.facebook.com/euronews.fans No Twitter: http://twitter.com/euronewspt



:

Comentário:

Então como é? Afinal o racismo também existe de preto para branco.

É bom que levem as donas do 
Bloco de Esquerda a este país, para não andarem a dizer as asneiras que dizem. Elas e o Mamadou!

Chega de partidos politicos

Mário Soares e as virtudes de Salazar :: Inferno T3 Ep.74

·          24/09/2020

por BARROSO DA FONTE – A Voz de Trás-os-Montes


Recebi hoje (20/9) um email em que aparece Mário Soares a presidir a uma mesa de três, em que afirma veementemente: “com 88 anos nunca vi Salazar mexer nos dinheiros públicos".

Mas hoje veem-se muitas pessoas a procurar comida nos caixotes do lixo. Na véspera e no mesmo dia os media gastam páginas e cadernos com notícias terríveis: “é a primeira vez que três juízes desembargadores são acusados no mesmo processo, por suspeitas de corrupção”. A notícia ainda é mais envolvente, no espaço e no tempo. Mas já passaram 46 anos desde que o tempo novo, deveria ter nova gente, novas regras e principalmente, políticos sérios, pessoas com princípios intocáveis; gente com provas dadas e não com canalha que nunca trabalhou e fica deslumbrada com o cargo, com a viatura e com as vénias dos seus subalternos.

No último fim de semana o Chega, chegou-se à frente e, aparentemente, pelo que lemos e ouvimos, o seu líder foi reeleito com 94%. A direita bem precisa de reforçar-se porque o país com a esquerda que temos, já nem é capaz de resgatar a «Geringonça» para aprovar o próximo orçamento.

Tive uma passagem efémera pela política partidária. Concluí que não deveria continuar preso a regras com as quais não me identifico. Por isso, não quero mais amarras. Fui dos primeiros jornalistas a reconhecer que a sorte de António Costa foi a eleição do seu professor para Presidente da República. O primeiro ministro usou e abusou desse guarda-chuva presidencial que abrigou Costa, ininterruptamente, nos quatro anos que leva de mandato. Quem tem a paciência de me ler saberá que não sou homem de extremos. Abrigo-me nos provérbios populares com que minha mãe respondia quando não tinha palavras próprias: “nem oito nem oitenta”, Ela guiava-se pelo simbolismo da sardinha: a única coisa que se come nessa espécie marinha é o meio porque nem a cabeça, nem o rabo dão para comer. Sempre me guiei pelos usos e costumes da minha casa e da minha gente Barrosã. Sempre desafiei e continuo a desafiar algum leitor que me acuse de ser desonesto, mentiroso ou trafulha. Só peço a alguém que tenha essa iniciativa que use, como eu faço, a verdadeira identidade e que viva no país onde a gente se possa encontrar: não para escaramuças, mas para podermos entender-nos, cara a cara.

A manipulação dos números da Covid 19 nas escolas

 

Duas semanas após a abertura do ano lectivo, já houve casos em Telheiras, Leiria, Rio de Mouro, Palmela e Espinho. Isto foi o que saiu à socapa em alguns jornais.

Ainda anteontem a Fenprof exigiu que o Governo revele em que escolas há contágios e fala em pelo menos 16 locais.

Perante esta exigência da Fenprof, conclui-se que os politicozinhos deste governo nepotista, estão já com a velha tentação manhosa portuguesa de manipulação e de falta de transparência, indecente, diga-se, ao dificultarem o acesso aos dados reais nas escolas sobre a COVID 19.


sábado, 26 de setembro de 2020

O Orçamento e a palhaçada

 

A palhaçada começou com a dona Catarina. Antiga actriz, sabe bem como se pega na coisa. E pegou – no Novo Banco! Aí começou o teatro, melhor dizendo, a palhaçada, na qual o Presidente da República foi obrigado a entrar, chamando à colação os Social-democratas. 

Rui Rio, homem experimentado neste tipo de teatro, e de fina inteligência, manteve-se no seu canto, e bem. A bola, disse, está do lado da esquerda. A esquerda é que sabe se deve ou não aprovar o Orçamento. E porque é que Rui Rio disse isto? Porque sabe que o Orçamento já está aprovado e que tudo isto não passa do teatro costumeiro das donas do Bloco. Está-lhes no sangue desde 1917. Para manterem o poder armam este teatro todo para entreter as massas. E o dr. Costa para manter o governo nepotista vai ter que ceder. E cede para manter o poleiro. O dele e o das donas.