quarta-feira, 22 de março de 2023

O Devir da Lusofonia - Isabelle de Oliveira

 





Não matem (ainda mais) o meu querido país

 

Mensageiro de Bragança

O BRASIL de Lula e de acólitos criminosos...





https://youtu.be/bnXDSjveoOs

O Brasil de Lula é isto. Quem o não sabia? E porque razão sobre isto a imprensa corrupta nada diz?




Grande Prémio de Romance e Novela da APE

 Câmara Municipal de Vila Real  

Grémio Literário A. M. Pires Cabral 



Serviço de Difusão 

 

Grande Prémio de Romance e Novela da APE 

 

Está aberto até ao próximo dia 21 de Abril de 2023 o prazo para concorrer ao Grande Prémio de Romance e Novela da Associação Portuguesa de Escritores, no valor de € 15.000, destinado a galardoar, anualmente, um livro de carácter romanesco ou novelístico, em português e de autor português, publicado em 1.ª edição no ano 2022. 

terça-feira, 21 de março de 2023

"NAVEGAR" no Dia da Poesia

 

                                                      (Mondim - Rio Tâmega)

NAVEGAR   

 

Murmuras em silêncio,

Na mansidão das tuas águas,

Encolhido ...

Deslizas, medroso,

Entre vertentes

E te espraias pelo Vau

A beijar cada calhau,

Divertido.

Levas contigo a força

Com que rasgas horizontes!...

Escreves caminhos 

E desenhas novas rotas...

Galgas picos e veredas

E nos açudes segredas

Murmúrios que são queixumes...

Escondes-te em vales e cumes,

Vais por aí...

E que nada se te oponha

Para voltares de novo a rumo...

Cicias-me segredos

Na corrente, violado,

E namoras com as fragas

Quando baloiças na margem,

Nada te impede a passagem!...

E depois de muitas léguas

Te propões tempo de tréguas...

Te moldas à circunstância

E te lanças, à distância,

No colo terno do mar.

 

Nelson Teixeira da Silva


Enviado pela Drª Maria da Graça

 

Poetas Transmontanos no Dia da Poesia

 

O POETA ETERNO 

 

Porque hei-de cantar-Te

No palpitar da alma

Que Te procura e foge a cada instante?...

Eu sou apenas eu,

Mas a Tua mão desceu

E só queres que cante.

 

Mas, ó Poeta Eterno,

Tua é que cantas

Na tecla limite do tempo e do espaço...

Caem estrelas de mãos vazias 

E, no vácuo delas,

É que eu renasço.

 

Vida da minha vida,

No himineu do meu Sonho,

Te chamei hoje, Senhor.

É que chegou a Primavera

E deixou-me na janela

Essências de flor.

 

NELSON VILELA -Vilarinho da Samardã

 

 

 

AQUI   

 

Aqui

estático na areia

olhando a terra e o mar

e os caranguejos a fugir de mim ...

 

Aqui

o Poeta

o Homem

o Soldado!

 

Aqui

duas fronteiras

um mundo

uma paisagem simétrica!

exactamente

 simétrica.

 

Tenho comigo

 um destino que não é meu

extraído dos olhos dos peixes

para dar ao mundo!

 

Mar

embrulha-me nas tuas ondas

e leva-me daqui

com que ninguém saiba

que vou da guerra.

 

Barroso da Fonte -O Sangue e as Palavras

 

 

 

ECOS   -  ( ao Douro )

 

O Douro ecos mil tem na garganta,

Outros mil dissolvidos como sais,

São gritos com que a alma se levanta,

São dores que se encostam a um cais.

 

Quão belo é um penhasco quando canta

Os risos dos seres primordiais!

Silêncios... só os ouve quem se encanta

E transforma os segredos em sinais.

 

Quem nunca viu criança que se espanta,

Enternecida ao colo de seus pais,

Quando um leve sussurro se agiganta?

 

Poeta, menino que desencanta

Os ecos das canções celestiais

Que tornam imortal beleza tanta...

 

António Fortuna - Vila Real

In Sonata ao Douro

 

 Enviado pela Drª Maria da Graça

 

Vinhais esteve em Oeiras

 

Mensageiro de Bragança

segunda-feira, 20 de março de 2023

Aos 90 anos é uma prenda científica - Câmara de Valpaços homenageia o seu maior investigador

                                                          Adérito Medeiros Freitas


 Por  BARROSO  da  FONTE


Será dia 1 de Abril que a Câmara Municipal de Valpaços vai fazer justiça ao seu mais ilustre filho: Adérito Medeiros Freitas. Este samaritano da cultura Portuguesa vai dar sentido ao Pavilhão Cultural de Valpaços que marcará no bronze o seu honrado nome.

Para que essa homenagem tenha mais visibilidade, a autarquia escolheu um dos mais concorridos dias do ano: a Festa do Folar.

E não é por engano que a homenagem vai ocorrer no dia dos enganos. Essa progressiva cidade é sede de um dos mais ricos concelhos do distrito de Vila Real.

Licenciado na Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, no curso de Ciências Geológicas. Já como Professor matriculou-se na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra aí realizando os exames da cadeira de Ciências Pedagógicas.

Começou a lecionar no ensino secundário no Liceu Alexandre Herculano, no Porto e passou pelas seguintes cidades: Portimão, Faro, Beja, Chaves, Aveiro, Angra do Heroísmo e Guimarães, onde terminou a sua brilhante carreira, no ano letivo de 1997/1998. 

Em todas as cidades por onde passou, deixou um rasto de bondade, de simplicidade, de civismo e de dedicação às causas culturais em que era perito. No Liceu de Guimarães deixou uma espécie de museu, de que tratava e enriquecia como se fosse coisa sua.

Foi sócio, por muitos anos, da Sociedade Portuguesa de Ciências Naturais; da Associação Portuguesa de Geólogos; da Sociedade Portuguesa de Antropologia e Etnologia; Sociedade Martins Sarmento; Associação Portuguesa de Professores de Biologia e Geologia; Grupo Cultural Aquae Flaviae. Com todas estas instituições culturais, Adérito Medeiros Freitas foi um dedicado colaborador e conselheiro.

Desde muito cedo colaborou, de perto, com o saudoso arqueólogo Prof. Doutor J. Rodrigues dos Santos Júnior, em trabalhos de investigação arqueológica, desde 1794. Adérito Freitas brilhou em tudo o que teve a ver com a cultura castreja, em Trás -os-Montes e Alto Douro. 

Desde os estudos dos vários Castros de Barroso, às muitas campanhas de Curalha (Chaves) até à elaboração da Carta Arqueológica do concelho de Valpaços, conseguiu ultrapassar, em tempo e em número de obra escrita, publicar, em parceria com a Câmara Valpacense, 26 livros, científicos, que valorizaram a região. Em média, cada um dos 26 livros, devidamente ilustrados com a média de 300 páginas cada um, somará 7.300 páginas. É um trabalho hercúleo que Adérito Medeiros Freitas produziu no levantamento arqueológico do concelho em que nasceu.

Adérito de Freitas dirigiu, com outros investigadores da região, como o Padre Adolfo Magalhães e o Prof. J. R. dos Santos Júnior, várias campanhas arqueológicas no castro de Curalha.

Tem este concelho boas razões para perpetuar o nome deste seu cidadão, num momento feliz porque trabalhou uma vida inteira, ensinando aos seus alunos e aos populares, como viviam os povos que por aqui passaram. Como viviam, que ferramentas utilizavam, como se orientavam nos horários, se abrigavam, de noite e que produtos procuravam para a alimentação.

Foi uma vida cheia que este Valpacense utilizou nos 90 anos de vida que viveu para benefício da sociedade. E não consta que cobrasse qualquer compensação, por todo esse trabalho, que usasse transporte ou ferramentas alheias.

Bem fez a Câmara que patrocinou a publicação das suas obras. Que belo exemplo para saudar os executivos municipais pela nobreza da sua decisão, não só de patrocinar a obra feita, como pelo reconhecimento de perpetuar este generoso cidadão.

Vou estar atento ao Presidente da República, para ver se atribui a medalha da cultura a este arqueólogo, geólogo e etnógrafo. E também à RTP para ver se dá voz e imagem a este especialista que tem muito a ensinar aos Portugueses.


Barroso da Fonte




Liliputinar

Mensageiro de Bragança
 

A fina flor do PS

 

Aníbal Cavaco Silva esteve na manhã de Sábado numa sessão promovida pela Câmara Municipal de Lisboa para recordar o programa do seu segundo Governo, o Programa Especial de Realojamento, que foi aprovado há exatamente 30 anos e serviu para erradicar as barracas. Foi sob esse pretexto que teceu críticas muito duras ao Governo, que acusou de ser o responsável pelo “falhanço” das políticas de Habitação e de ter um problema de “falta de credibilidade e confiança”.

Na sessão estavam autarcas socialistas que se levantaram assim que o presidente Cavaco começou a falar. É, pois, esta a fina flor do PS! Uma fina flor mal educada que já teria levado o país a outra BANCARROTA, não fosse a BAZUCA europeia!