quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Mel do Abel, das Encostas do Côa, em Pinhel


Jorge Lage
2- Mel do Abel, das Encostas do Côa, em Pinhel – Em Março, gostei de andar pelas Encostas do Côa e Terras de Santa Bárbara, no concelho de Pinhel. Fui muito bem recebido pela Vereadora da Cultura do Município e pelo Presidente da Direcção da Associação de Jogos Tradicionais da Guarda. Fiquei alojado no Turismo Rural Encostas do Côa, na Quinta Nova (271411132, 964787619 e geral@encostasdocoa.pt ). Encantou-me o «Mel do Abel – Encostas do Côa» e teve a gentileza de me oferecer um frasco que ando a consumir. Este Turismo Rural enquadra-se no Vale do Côa, Património da Humanidade, onde o rio Côa, vindo da zona raiana do Sabugal, ganha nestas terras um encanto poético e cristalino. Passar uns dias por estas paragens é descobrir um mundo de gente, de aromas e de paisagem diferente e encantador. E se souber sonhar ainda ouvirá os ecos dos gritos e do desespero de Dona Inês de Castro. Até o «Mel do Abel», pela flora que condensa me diviniza os sentidos é distinto. As abelhas obreiras que o produziram quiseram mesclar a flora do vale ameno com o néctar bebido nas encostas serranas e terras lhanezas. Parece que as abelhas andaram lado a lado com as ovelhas e as cabras para nos brindarem com o melhor «requeijão melífico», pois é para esse aroma agreste e selvagem que sou encaminhado. Para saber mais: www.encostasdocoa.pt .


Sem comentários:

Enviar um comentário