quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Entre Caimbambo e Huambo! (ANGOLA)

 Entre Caimbambo e Huambo!
Por: Costa Pereira
Portugal, minha terra.
"Deus escreve direito, por linhas tortas", não haja duvida. Sem mais aquele percalço de 2ª- feira, a minha estadia no Caimbambo perdia qualidade no aspecto de conhecimentos da terra e da gente com quem ali privei de perto desde 26 de Março a 1 de Abril de 2009. Também a Sra. Administradora da AAA , e a instituição em si, ficou a ganhar com a ajuda que na 2ª e 3º-feira obteve por parte a Drª Gisela, que só por isso adiou a partida para 4ª-feira, "dia das mentiras".
1
A respeito da origem etimológica do topónimo contaram-me que no morro que serve de pano de fundo a este embondeiro, vizinho dos escritórios da AAA, viveu em tempos remotos um famoso caçador chamado Bambo, que certo dia quando regressava da caça caiu com gravidade e morreu. Então os nativos apressam-se a informar: Cai(m) Bambo e morre.
2
Vagar tive também para me aventurar a mexer na máquina digital e sem conhecimentos técnicos fazer o meu primeiro vídeo. É fácil para quem sabe, mas para mim foi uma descoberta maior do que para Newton, a lei da gravidade.
3
Também aqui este jovem padeiro, com o cesto do pão à cabeça, me fez lembrar os tempos que com a idade dele fazia o mesmo por terras de Celorico de Basto. Ele por regra sempre com calor; eu, ao tempo, vitima do muito frio de Inverno e do calor de Verão.
4
Não há uma sem duas, nem duas sem três. Ou melhor dito: "Às três é de vez!". Agora sim, possivelmente não voltarei a ver estas simpáticas crianças que vão ser os homens de amanhã, e oxalá venham a ter mais sorte do que os seus progenitores
5
Eram 08h10 quando deixamos a vila que criada a 1 de Setembro de 1921, teve por seu 1º administrador António Rodrigues que, vi algures, inicialmente se instalou em Catengue, a 30km a Oeste da sede municipal Caimbambo. Se a viagem fosse de Comboio, e ele como dantes circulasse, a distância entre Caimbambo e Huambo rondaria os 262km. Por estrada andará, também, por aí. Já com a vila a perder de vista, num derradeiro adeus, seguimos em direção do "morro da vitória" ou "Irmãos gémeos" .
6
Pela sua fama a morro merece um foto tirada de mais perto
7
Tudo ainda muito perto do ponto de partida, apenas 14 minutos foi quanto demorou de Caimbambo a este lugar que como é obvio, jamais esquecerei. Não só pela pedra que beija, mas também pela avaria do jipe...
8
Também aqui à entrada da Ganda, esta taberna me despertou curiosidade pelo titulo que escolheu e tem na frontaria: Taberna dos Irmãos de Verdade.
9
O rio Catumbela continua cheio, e quando o seu caudal for bem aproveitado Angola será ainda mais rica.
10
Do Alto Catumbela também me não vou mais esquecer, aquela viagem em seco.., num dia de trovoada, fica na memória. Mas foi providencial, como já disse.
11
Eram 10h00 estávamos na Baboera para deixar a província de Benguela e pelo município de Tchindjenje - para os cubanos e russos - ou Quinjjenje -para os portugueses e nativos- , entrar na província do Huambo.
12
Depois de Quinjenje, surge o município de Ucuma
13
Esta linha de água que aqui atravessa a estrada não secou enquanto estive em Caimbanbo, continua como atrativo turístico de Ucuma
14
A seguir a Ucuma é Longonjo, outro município de Huambo de que já falei.
15
Paisagem entre Longonjo e o desvio do Bongo, onde estou desejoso de chegar para ver a hora e a sementeira que deixamos a crescer.
16
Desvio para o Bongo, mas nesse dia seguiu-se em frente para na cidade descarregar a trouxa e tomar um merecido banho de chuveiro que nem em todos os sítios é fácil.
17
Ás 12h04 eis-me chegadinho a esta bela praça da capital do Planalto Central angolano, que após restaurada já dá um cheirinho ao que foi. Vale sempre alguma coisa os maiorais do mando provincial ou municipal assentarem arraiais em certo espaço, ao menos aí, não raro, as obras ganham formosura e prontidão....Que diferença do que se passa, entre Caimbamdo e Huambo!--------------------------


Dos comentários destaco um de Hipólito Nóbrega que diz:
Gostei muito dever fotografias de caimbambo, onde fiz a 4ª classe há uns anos, estava na escola quando houve um acidente de moto que levou a vida de um jovem com 20 anos mais ou menos, não me lembro da família em questão; o meu  professor coxeava um bocado; colegas de escola, lembro-me de uma de nome Adelaide Borges, e de uma Isabel, são os únicos nomes que ainda recordo. Havia um senhor comerciante de nome Borges, pai da Adelaide Borges; os meus pais trabalhavam numa fazenda de sisal dos Antunes e Rosalis, ficava a uma distancia de 10 KMS; havia uma outra fazenda do mesmo proprietário, onde havia um grande pomar da famosa laranja de caimbambo, gostava imenso de falar com a Maria Adelaide Borges ou outros colegas dessa época, o meu numero de telefone é 964 059 902. Muito obrigado por essas fotos de Caimbambo, Nova Lisboa e Huila

Ao mesmo respondi:

Tenho muita pena, mas como deve ter percebido eu fui a Caimbambo casualmente na companhia de minha filha que durante algum tempo esteve em Angola a trabalhar num projecto da UE. Não fiquei com os contactos de ninguém, mas penso que o comerciante português que cito no post podia ser a pessoa ideal para responder ao vosso desejo. Nada como experimentar. Muitas felicidades. Foi para mim um prazer muito grande testemunhar a vossa visita a blog. Bem haja”.
Continua




Sem comentários:

Enviar um comentário