terça-feira, 18 de julho de 2017

CARTA ABERTA ao Dr. Gentil Martins

Prof. Doutor Gentil Martins
Carlos Aguiar Gomes

 CARTA ABERTA

No passado dia 15 v. Ex.cia deu uma entrevista ao “PÚBLICO “, que li com a maior atenção, proveito e agrado.
Também vi logo que tal entrevista iria levantar um clamor dos   furiosos e encarniçados defensores do “pensamento único “. O que aconteceu e está a acontecer.
Não tenho o privilégio de o conhecer, a não ser pelo eco da sua magnífica obra como médico, reconhecida nacional e internacionalmente. Que fique claro. O que me move a escrever-lhe publicamente, é mostrar que não posso admitir o medo e a ameaça como forma de calar quem não concorda com “estudos” , de “ teorias” discutíveis ( não fossem isso mesmo, teorias!) e de lóbis aguerridos .
Estas reacções fazem-me recuar aos tempos e regimes em que o pensamento era obrigatoriamente, ditatorialmente imposto e cuja discordância era imediatamente perseguida sem dó nem piedade. Como agora nos estão a ameaçar. Para quem não “vai” nessa onda, … ameaças e queixas…
Estupidamente, pensei que esse tempo do passado, que vigorou em vários países durante o século XX e deu origem aos ismos que mataram milhões de pessoas, a maioria delas porque pensavam pela sua cabeça, já tinha passado e pertenceriam à arqueologia do pensamento tirânico. Enganei-me! Está aí e, tal como no passado, usa a força e o poder de um poder fraco, débil e que tem medo do pluralismo. O pluralismo incomoda os candidatos a tiranos. E o povo cala estes atentados…
As reacções à entrevista que deu são de grupos que se pensam detentores da verdade política e societal e ai de quem ouse não “ler pela sua cartilha”!
Penso que a liberdade que nos trouxe o 25 de Abril, que prometia a liberdade de expressão, de todas (excepto algumas!...), como diz o nosso povo, “foi chão que já deu uvas “. Basta ver que o Senhor, homem culto, informado, ponderado e sábio está a ser vítima da opressão ideológica desses grupos extremistas e fanáticos que não admitem que alguém pense e fale sem a sua concordância. Recuamos em termos democráticos e de liberdade de expressão. Recuamos e muito. A tirania ideológica está aí. Perante esta agressão, temos de fazer frente e cantar “que não há machado corte a raíz ao pensamento”. Sim, Senhor Dr. Gentil Martins, não podemos deixar que qualquer “machado” nos corte o pensamento. “Somos livres, somos livres!”. Que este grito que ajudou a prepara a revolução de Abril, volte a ecoar no nosso país.
A sociedade portuguesa tem de se levantar de novo para impedir, já, que uma nova ditadura venha agredir a liberdade de pensamento e de o exprimir publicamente, pelos meios que quiser.
Não se cale, Dr. Gentil Martins!
Peço-lhe que aceite os meus melhores cumprimentos de gratidão e pela coragem exemplar que demonstrou na referida entrevista. Bem haja!
O cidadão eleitor, defensor da liberdade de pensamento.

9 comentários:

  1. Uma palavra, pode destruir a imagem, mas também pode repor a verdade.
    Um "berreiro" disturba a compreensão do pensamento, mas um só grito pode parar uma discussão. Este é um "grito" para parar uma discussão estupida. Hoje, caminhamos para com ruido esconder a discussão de problemas sérios, impedir a liberdade de expressão, calar o pensamento individual e " quem não está comigo é contra mim" o que significa opressão e ditadura de alguns. O meu apoio e respeito, Dr Gentil Martins, e a todos os que corajosamente não calam o que pensam mesmo divergente do meu próprio pensamento. Aceitar, não é submeter, discordar não é "guerrear" é argumentar e muitas vezes mudar o próprio discurso por mais informação que não tinha. Liberdade e Democracia precisa-se com urgência.

    ResponderEliminar
  2. Liberdade é ser-se livre. ser-se amado ser-se ouvido, sem ser preciso dizê-lo dentro duma cave com numero ignorada...Liberdade meu caro senhor é deitar cá para fora o que em consciência nos acode de dizer perante o que se vai passando nesta democracia feita e remodelada ao jeito de uns e outros...os outros...não têm que calar, não têm que acenar só por acenar, deram-nos o direito de ser "livres" pois livres sejamos, fazendo ouvir a nossa voz...por muito que isso doa a quem doer. O meu respeito Dr Gentil Martins.

    ResponderEliminar
  3. Ao Prof Dr Gentil Martins, que concedeu uma entrevista ao PÚBLICO, ao Sr Carlos Aguiar Gomes que escreveu a carta aberta ao Prof Dr Gentil Martins e aos dois comentadores que abordam a questão em apreço, a minha admiração, respeito e apreço por tudo o que disseram. Não é de bom tom que vivamos num regime que se diz democrático e que depois alguém nos ponha o dedo no nariz quando as nossas opiniões não lhes agradam. Subscrevo tudo o que foi dito

    ResponderEliminar
  4. Dr é livre de expressar a sua opiniao

    ResponderEliminar
  5. O Dr. Gentil Martins é sábio e descendente de sábios, não precisa que o defendam, ele sabe defender-se. Em dez portugueses,nove concordam com ele, e também não têm medo de o expressar aqui. Portanto, força, Dr.Gentil Martins, o Senhor sabe o que diz, ao contrário de muitos, muitos, muitos... Que viva por mutos anos com saúde.

    ResponderEliminar
  6. Aceitam todas estas mesmas palavras colocando em vez do Dr Gentil Martins na posição dele o André Ventura Candidado a Presidente da Câmara Municipal de Loures? ou essse ja não pode ser livre?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pergunta muito séria e que precisa de resposta. No século XVIII era uma questão de opinião se a escravatura era um bem ou um mal. Agora essa questão já não se põe nesses termos. Há uma Declaração Universal dos Direitos Humanos que o impede, a nossa moral também o deve impedir. Aplica-se ao assunto em questão. Este debate era legítimo; não está identificado é o século em que se pode aceitar este debate nestes termos.

      Eliminar
  7. A liberdade de cada um, acaba onde começa a do outro....Sejamos livres de pensamento e de expressar as n/opiniões! Dr. Gentil Martins, mt obgda p/ td quanto fez e deu p/ este País!

    ResponderEliminar
  8. Já agora, e sobre o mesmo tema, Um Chefe de Estado-Maior do Exército, "bateu com a porta, devido aos lobbies que aqui se faz referência, no caso do Colégio Militar, vindos das mesmas origens. O país está dominado por "ismos" da esquerda à direita. Absolutamente lamentável. Força Dr Gentil Martins

    ResponderEliminar