terça-feira, 18 de julho de 2017

Torre Dona Chama, Mirandela e Trás-os-Montes e Alto Douro mais pobres com a partida do nosso querido escritor, Nuno Nozelos


JORGE LAGE
Torre Dona Chama, Mirandela e Trás-os-Montes e Alto Douro mais pobres com a partida do nosso querido escritor, Nuno Nozelos, ao início da tarde de hoje, 18JUL2017. Nuno Nozelos nasceu na Fradizela, mas a sua meninice e ao longo da vida foi na Torre Dona Chama a que sempre se prendeu e onde o pai tinha uma pequena indústria.
Recentemente elaborei uma nota curricular do Nuno Nozelos, que anexo, para o introduzir na grande «Antologia de Autores Trasmontanos, Alto Dirienses e Beira Trasmontana», que a Casa de Trás-os-Montes e Alto Douro de Lisboa vai editar em Maio de 2018 (por altura da realização do IV Congresso dos Transmontanos - em Lisboa), e coordenada pelo Doutor Armando Palavras.
A doença que o foi incapacitando tirou-lhe quase tudo, mas os esporádicos lampejos de lucidez prendiam-no ao mundo e, quiçá, a maior alegria foi saber que nunca o atirariam para um depósito de velhos. Essa gratidão cabe por completo à Dona Celeste, sua extremosa companheira de uma vida plena.
Calou-se para sempre uma das melhores vozes da escrita trasmontana e alto duriense. Mirandela e a nossa região ficam mais pobres.
O funeral realizar-se-á a 20JUL2017, na vila da Torre Dona Chama - Mirandela, sua terra adoptiva, onde se encontrava a convalescer e recebia apoio familiar.
À Dona Celeste Nozelos e aos demais familiares endereço um sentido e humedecido abraço de alma!
Até sempre Nuno amigo, vais continuar com todos os que admirávamos o teu talento e a tua humanidade e simplicidade.

Jorge Lage

Nuno Álvares Pereira da Conceição Nozelos, Nuno Nozelos nasceu em Fradizela (concelho de Mirandela), em 15 de Novembro de 1931 (m. 2017). Foram seus pais Manuel António Nozelos e Esperança de Deus Gonçalo, sendo Nuno o primeiro de oito filhos.
Após o ensino primário na própria aldeia de Fradizela, frequentou o ensino dos Salesianos, primeiro em Poiares da Régua, depois em Mogofores e finalmente no Estoril, onde concluiu o curso de Filosofia. Posteriormente frequentou o Instituto Superior de Psicologia Aplicada, em Lisboa. Fez, além disso, diversos cursos de índole profissional, virados para a área jurídico-administrativa e relacionados com a carreira que seguiu no Ministério da Saúde.
Aí começou a trabalhar em 1955, vindo a ocupar o cargo de técnico superior principal, lugar em que se aposentou em 1984.
Paralelamente com a carreira administrativa, Nuno Nozelos esteve sempre virado para a escrita, sua grande vocação, quer enquanto escritor, quer enquanto jornalista e conferencista.
No campo da actividade jornalística, é vasta a lista das publicações a que tem prestado colaboração: Ènié, Notícias de Mirandela, Notícias de Trás-os-Montes (de que foi director-adjunto e cujo “Suplemento de Arte e Cultura” esteve a seu cargo), Mensageiro de Bragança, Gil Vicente, A Região, Boletim dos Amigos de Bragança, Boletim Informativo da Casa de Trás-os-Montes e Alto Douro de Lisboa, Unearta, A Torre, etc. Foi também um dos fundadores e subdirector da Sílex – Revista de Letras e Artes.
Todavia mais importante do que isso é a sua actividade de escritor. O seu primeiro livro, Iniciação, sai em 1963, assinado por Nuno Álvares. É um volume de versos, alguns deles escritos ainda na adolescência. No ano imediato, publica Retrato, também poesia e também assinado Nuno Álvares. No campo da poesia publica ainda Canto Aberto, em 1973, e A cidade e eu, poeta, em 1978. Para Vozes distantes, de 1987, aproveitará algum material dos dois primeiros livros – “ainda verdosos”, nas próprias palavras que o poeta escreve no prefácio. Em 1996 sai o volume Delações poéticas e finalmente, em 2001, Musa preterida.
A poesia de Nuno Nozelos combina uma prosódia agradável com um conteúdo em que problematiza os grandes temas que preocupam os homens.
Mas a sua produção ficcional, em especial os contos, é geralmente considerada a sua mais festejada faceta de escritor.
A obra ficcional de Nuno Nozelos compreende os contos rurais de Gente da minha terra (1967; 2.ª ed., 1975; 3.ª ed., 1987) e Ecos do Nordeste (2000), e os volumes de temática urbana Ambos, afinal… (narrativas, 1973), Histórias ou algo mais (contos, 1985), Soçobrado (romance, 1992), Relatos Nebulosos (contos, 2003) e Contos Nordestinos do Natal (2008).

1 comentário:

  1. Correcção do dia do Enterro do Escritor Nuno Nozelos

    O normal é, quando uma pessoa com doença incapacitante se apaga, depois de muito sofrimento, como foi o caso do escritor Nuno Nozelos, que o funeral ocorra no dia seguinte. Porém, no caso do falecimento, ocorrido hoje com o nosso querido escritor mirandelense (Fradizela/Torre Dona Chama) as autoridades sanitárias ou judiciais entenderam ir mais além.
    Assim, só depois das autoridades darem luz verde é que o funeral será marcado, pela família, em princípio para dia 20 (quinta-feira) de Julho, na Torre Dona Chama, em hora que a família indicará.
    As minhas desculpas pela informação incorrecta, porque até alguns dos funerais em Trás-os-Montes saem da lógica.
    Aguardem-se mais informações.
    Obrigado


    Jorge Lage

    ResponderEliminar