quinta-feira, 29 de junho de 2017

As tragédias fruto da propaganda


É por demais sabido agora, por mais propaganda que o governo faça, que a SIRESPE falhou. Sabendo disso, a imprensa imbecilizada, sem pingo de vergonha, tudo faz para desculpabilizar Costa, procurando resquícios de culpa em governos sociais democratas.  Quando já se conhecem agora as iniciativas de Costa, aquando do contrato que fez (enquanto ministro da Administração Interna) com esta empresa em 2006, no governo de José Sócrates, o tal que nos levou à BANCARROTA). Durante os fogos chamavam à liça contratos do governo de Passos e ainda hoje, numa entrevista a Santana Lopes, no jornal Público, os jornalistas recordam a SIRESPE do seu tempo. Ora a SIRESPE surge com Durão Barroso. Possui mais de uma década de existência. E que se saiba, durante esta década jamais houve uma tragédia como a de Pedrógão Grande! Então porque razão esta imprensa imbecilizada não atribui as responsabilidades da mesma a quem de direito?
A responsabilidade da tragédia de Pedrógão é da inteira responsabilidade do governo em funções. Tudo o resto é conversa fiada e propaganda. Ora se o ano passado nada disto se registou, porque razão aconteceu este ano?
É simples. Um dos jornais da propaganda, em letras garrafais anuncia hoje em titulo: “PROTECÇÃO CIVIL MUDOU METADE DA EQUIPA OPERACIONAL EM ABRIL”. Acompanhado em letras miúdas pelo seguinte: ”Governo nomeou 17 novos comandantes em cima da época de fogos”.
Nada disto é novo nesta governança. A propaganda da imprensa imbecilizada, tem responsabilidades nestas tragédias. Em vez de dar voz ao povo, elaborando critica séria (como o faz a imprensa decente, seguindo os princípios das suas raízes novecentistas), limita-se a propagandear o que o governo pretende.
Duas semanas depois da tragédia, qual foi a primeira preocupação do governo? Di-lo o jornal i em primeira página de hoje: “ Governo organizou focus group para saber impacto dos fogos na sua popularidade”. Aí está.

Sem comentários:

Enviar um comentário