domingo, 11 de junho de 2017

“Angola: 2012-2014”


“Angola: 2012-2014” é um volume de 107 páginas onde o autor anotou um conjunto de pequenos episódios engraçados que, no seu conjunto, constituem as suas memórias de sete meses passados em Angola, neste período difícil, em que se viu obrigado a uma emigração “forçada”.
Em ligeiras pinceladas, Amadeu Martins, Engº de construção civil, transmontano de rija têmpera (nascido em Lagoaça), descreve-nos o ambiente social angolano, a natureza das infra estruturas como o lamaçal ou a lixeira do Cajueiro, os “esquemas” de sobrevivência que por lá proliferam, não tivesse também ele de neles participar, ao passar-se por Bispo da Igreja Metodista na visita ao Uíge. O episódio escrito com a simplicidade do autor merece ser aqui transcrito:

“No caminho, o primeiro controlo da policia (imigração). A minha situação não é completamente regular uma vez que estou com visto ordinário (que não me permite trabalhar) e eu estou em trabalho! Mas a lição está estudada!
- Bom dia! Aonde vão!
-  Uíge, diz o motorista.
- Em trabalho?
- Em visita à Igreja Metodista. E aponta para o símbolo da igreja que está colado na porta do jipe, e que é propriedade da Universidade Metodista!
-Este Srº é Bispo da Igreja, diz, apontando para mim.
-Sim Srº. Façam boa viagem!
- Obrigado, disse eu em voz alta. E Deus vos abençoe, disse a seguir (desta vez só para o Nelo ouvir …).
- É por isto que gosto de conduzir este jipe. É sempre a andar …

O volume está cheio de pequenos episódios deste tipo. A dada altura, a exercer as funções de professor em Cabinda, a alunos do 11º ano, numa aula de redes de abastecimento de água a uma habitação, pergunta:
- Tendo chegado à conclusão que o raio do tubo de água é de 2, 38 cm, qual é o valor do diâmetro?
- 6 metros!
Foi a resposta pronta do aluno.

Este volume pelo cariz pessoal que encerra, é uma edição de autor, editado pela Exo-terra (por sinal uma bela edição com uma capa lindíssima onde contrastam o azul e o sépia, profusamente ilustrada a preto e branco com fotografias do autor), com o único objectivo de chegar às mãos de uma centena de amigos. O autor, nosso Amigo de sempre, não quer publicitá-lo. Mas nós, contrariando-o, entendemos escrever estas linhas simples pelo conteúdo que aborda.  Armando Palavras

Sem comentários:

Enviar um comentário