domingo, 29 de julho de 2018

Salas de aula ao relento, sob as copas das mangueiras!


O ensino em Portugal está um caos. São disso exemplo, todas as movimentações fraudulentas ministeriais de Junho a esta parte, desde o início da greve dos professores.
A corrupção apoderou-se de todas as instituições estatais portuguesas, em grande escala desde 2005, início da governação mais corrupta alguma vez existente na Nação. E este inicio tem rostos concretos, desde José Sócrates, passando por Maria de Lurdes Rodrigues (no caso do ensino), à grande maioria dos elementos que hoje fazem parte da governança do país, e do seu Parlamento, que tantas carreiras profissionais e académicas arruinaram. Foram eles os grandes responsáveis da proletarização do ensino, encaminhando-o para uma mediocridade a todos os níveis: dos alunos, dos professores, dos dirigentes. Sobretudo dos dirigentes.
E, por muitas argumentações que daí possam vir, não há volta a dar. Este sistema medíocre é para durar, no mínimo, duas décadas! O país está, assim, condenado a uma perpétua vigarice!
Contudo, o que nos levou a esta reflexão, não foi propriamente o ensino que se exerce em Portugal, mas o ensino que se exerce na antiga África Portuguesa.
Noticias vindas a público em Janeiro do corrente, deram origem a uma excelente reportagem, hoje publicada no jornal Público, sobre a forma como se exerce o ensino em Moçambique. Em condições execráveis! E o que se passa em Moçambique é o que se passa em Angola e em todos os outros países irmãos de Portugal, da antiga África Portuguesa.
Não fosse Portugal um dos países mais corruptos da Europa, não tivesse um ensino dos mais medíocres do mundo, e poderia estar a ajudar estas crianças.
Alguns exemplos de salas ao relento, sob a sombra das mangueiras ...










Sem comentários:

Enviar um comentário