quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

O Scano


 O Scano *



Dormem os camponeses no teu regaço,
Ó scano de uma vida imorredoira.
Toca-se do teu canto a dobadoira,
Vai navegando tudo no teu espaço.


Saltam para ti felinos na noite fria
Tombam na cinza tamancos que o lume cresta.
Serves de abrigo aos torgos de urzes e giesta
E és berço de menino durante o dia.

Cai sobre ti uma tábua á refeição
Nela se poisam malgas de barro grosso,
De mãos erguidas rezam o pai-nosso,
Antes do caldo servir partem o pão…



E pela noite dentro, juntos na vida,
Rezam a oração  na despedida,
Uns elevam a vós ao sono resistindo,
Outros: - amém! - respondem, já dormindo.


Há sempre uma brasa viva na lareira,
Ficas tu e ela.
- Adeus meu scano lindo!

* Abadim, 1959, de Abílio Bastos.

Jorge Lage


Os velhos escanos das nossas antigas lareiras são dos que mais histórias nos podiam contar e de terços rezados. O pai do Abílio, como não tinha «rosairo» para a reza servia-se do martelo para cada um dos mistérios e ao fim de cada dezena virava a face do mesmo.


Sem comentários:

Enviar um comentário