quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Festas e Romarias populares


Jorge Lage
Voltando às festas e romarias populares, no meu tempo (ou no nosso tempo), muitos caminhos para as aldeias eram em terra batida e aparecer por lá uma aparelhagem sonora que se ouvia aos quatro ventos e nos quebrava a aridez do isolamento e do duro trabalho do campo era o máximo que se podia desejar. Quando escurecia o ruído dum pequeno motor iluminava como por magia o largo ou terreiro da festa. Depois, nas festas havia sempre comida melhorada, bolos económicos, ou, pelo menos, uns folares. Vinho era só abrir o baixo (adega) e lá estava o fiel pipito de reserva e um copo de vidro encardido ao lado ou por baixo.
O mínimo que se exigia para haver uma festa na parte Norte e nascente do concelho de Mirandela, nos anos cinquenta até aos noventa, do século XX, era que houvesse uma aparelhagem com altifalante, geralmente a «Aparelhagem Seixas», do Amílcar Seixas (que muito estimava e à irmão Beatriz), de Contins, era a mais solicitada e a que melhor preço fazia aos mordomos sem cheta e alguma imaginação. E quando se dizia que já estava a rugir o lato, queria dizer-se que a festa tinha começado, com o altifalante bem alto ia debitando as modas (canções) mais solicitadas ou mais em voga. Festa a sério, era: com missa cantada, banda de música fardada e alguns acordes sacros, prelúdio das marchas profanas; gaiteiro ou acordeonista e que, mais tarde, foi substituído pelos conjuntos populares, como o da «Maria Albertina» ou o «Pai e Filhos»; os altifalantes ou as aparelhagens (sonoras) salvavam sempre qualquer festa.
Mas, como não se estava em tempo de grandes gastos, em muitas localidades, com missa ou sem missa, com banda ou sem banda, e o conjunto era uma estragação de dinheiro, um altifalante bem esganado, no silêncio da noite, dava música para o arraial da aldeia e para os «pobos» vizinhos «ó redor». Faziam muito barulho e muitas das músicas estavam desfasadas dos gostos dos solteiros e casados das nossas aldeias. O importante era que houvesse um bailarico no terreiro da aldeia ou num local mais reservado. Nestes só entrava a rapaziada mais considerada. Raparigas? Quantas mais melhores! Quando se batia a corda de Vale de Salgueiro até Vale de Gouvinhas e já não havia raparigas despernadas nos arraiais, Fradizela era a palavra mágica. Havia sempre raparigas fosse na festa, fosse nos bailes ao som da grafonola ou, mais tarde, do «vira-discos».
Este texto devia ficar por aqui. Devia, sim senhor! E a alguns mirandelenses até dava jeito, por rivalidades de outrora dos «jogos da bola», em que os da «Bila» eram surpreendidos pelos da Torre. Os da Torre traziam sempre um ou outro habilidoso de Macedo e depois jogavam com gana e ganhavam. Essa rivalidade passou para o débil tecido empresarial mirandelense e sempre que alguém queria montar uma pequena indústria familiar ou pequena na Torre era seduzido para o fazer em Mirandela.
Ultimamente, já se preparavam para acabar com o ensino intermunicipal (Colégio) da Torre e alguns políticos locais de vistas curtas até batiam palmas. Foi preciso dizer-lhes: quando acabar o ensino na Torre, acaba a «Vila»!
Este texto foi-me inspirado por uma mestra dos Vilares e quando procuro informação naquela corda, a Celeste Pires, ajuda-me e o que não sabe bate a outras portas com sucesso.
Voltemos ao lato a rugir em regos de escrita. Na Torre Dona Chama, por altura das festas, ouvia-se por uma semana a aparelhagem do «Mário Patudo» (Mário Pinto da Costa, que faleceu recentemente) e fazia a corda intermunicipal das terras dos concelhos de Mirandela, Macedo de Cavaleiros e Vinhais. Hoje é o filho, César, que continua com a aparelhagem de som e apareceram mais um ou outro na zona de Vila Nova da Rainha.
As aldeias que não tinham poder económico para contratar a banda de música servia-lhes a aparelhagem logo cedo. As festas rugidas tinham música e quando esta abalava, ficava a aparelhagem para o arraial. Quando só há missa, diz-se que a festa é séria.
O mordomo principal servia-se da aparelhagem para dar informações para os romeiros deste teor: - agora, seguidamente, segue-se um intervalo, enquanto a banda bai jantar, o pobo bai cear. O povo, sábio, regia-se pela norma de sempre: almoço, jantar e ceia.
Os discos pedidos eram o modo de os rapazes, os «admiradores», chamarem a atenção das raparigas, dedicando-lhe «a moda que de segue».
Nas festas e romarias, não havia retretes públicas e todos se desenrascavam consante a ocasião, lá iam a campo, trás duma parede ou duma lameira. Uma vez por outra, na Torre um músico incauto agachou-se na lameira a obrar, deixando o cinto de lado. Só que na hora de se ataviar ficou mais leve do miolo. Outro aflito do ventre deu com o atavio e entregou-o à comissão de festas e lá volta o mordomo a botar faladura solta: - atenção! atenção! O senhor músico que foi cagar à lameira que venha levantar o seu cinto aqui na cabine de som!
Quando chegava a hora da descarga do foguetório, o mordomo atento via que o fogo se inclinava para o campo de nabal e voltava o mordomo: - Atenção senhor «piroténico» é fabor não chegar fogo ao nabal! Não botar para esse lado!
As exibições junto da aparelhagem de som chegavam a forjar informação. Lembro-me que na minha terra, no Terreiro da Poça, o lato rugia e o Carolino Alfaiate (Fena) vai à cabine: - Atenção, muita atenção! Carolino Alfaiate perdeu a carteira. Pede-se a quem a encontrar o favor de a entregar. Passados uns segundos, achou que não devia dar a ideia de teso e rematou: - perdeu a carteiro sem dinheiro, a com dinheiro está aqui.
Tempos em que se vivia e se era feliz com pouco.
Jorge Lage – jorgelage@portugalmail.com – 25JUL2014

Provérbios:

         No dia de S. Martinho, mata o porquinho, abre o pipinho, põe-te mal com o teu vizinho.
         No dia de São Martinho, há fogueiras, castanhas e vinho.
         Dias de Todos-os-Santos, «scôssão-se» os cantos.



Sem comentários:

Enviar um comentário