sexta-feira, 17 de outubro de 2014

A VOZ DO MOINHO -Inédito de Abílio Bastos

Moinho restaurado, dos Moinhos do Rei, em Abadim – Cabeceiras de Basto
A VOZ DO MOINHO - Enviado por Jorge Lage

Um caminho,
um restolho
uma espiga
um alpendre
uma porta fechada.

Um velhinho,
qual menino saído dum ventre,
sentado à entrada.

Uma leira,
onde o sol madruga
e poisa uma vez ao dia.

Uma eira,
onde a lua tem lugar deitada
Porque está vazia

E vem do monte,
uma fonte de água a correr.

Pela voz do moinho,
eu sei se há pão para comer,,,


(Inédito de Abílio Bastos, de Abadim – 1957-58)


Nota: Poema em Moinhos d’El Rey ou Moinhos do Rei, de Abadim – Cabeceiras de Basto. Com 11 ou 12 anos de idade, trabalhava na plantação da floresta nos Moinhos do Rei. Encostado a uma parede de pobre pedra tosca, olhava à distância um campo, rapado e via, na sua imaginação, um restolho. Era tempo de míngua e ter pão para comer já dava segurança aos mais pobres.


Sem comentários:

Enviar um comentário