segunda-feira, 21 de maio de 2018

IV Congresso de Trás-os-Montes e Alto Douro em marcha!


Com os mesmos objectivos gerais – a resolução de problemas do Interior – foram realizados três Congressos de Trás-os-Montes e Alto Douro: o primeiro em 1920, o segundo em 1941, e o terceiro em 2002.
Entre o primeiro e o segundo, passaram-se 21 anos. E entre o segundo e o terceiro, 61 anos!


Sobre o Congresso de 1920, Bernardino Vieira de Oliveira, o historiador de Mesão Frio, que participa na Antologia de Autores com um excelente ensaio sobre aquelas terras de Barqueiros, enviou-nos dois documentos que, numa primeira ronda, estavam para ser publicados na obra. A dimensão que a mesma atingiu obrigou-nos a deles prescindir. Contudo, pela sua importância histórica aqui deixamos aquele que se refere à fina-flor da sociedade concelhia que aguarda na estação do Bernardo (Barqueiros) a passagem dos congressistas de 1920. À circular do Grémio de Trás-os-Montes, datada de Junho de 32, dedicaremos atenção noutro escrito.
No terceiro Congresso ficou definido que estes congressos periféricos se realizariam de cinco em cinco anos. Contudo, só passados 16 anos da realização do terceiro se irá realizar o quarto. Em terreno neutro, na área de influência de 90% dos sócios da Casa de Trás-os-Montes e Alto Douro – o distrito de Lisboa.
Está tudo preparado tecnicamente. Ao milímetro. O espaço onde os congressistas serão recebidos é do melhor, com as melhores condições acústicas; os oradores e intervenientes estão a postos; o local de restaurante é excelente.
Nenhum congressista inscrito estará à espera destas excelentes condições. E os transmontanos que estão sempre de língua afiada contra o governo central – o Terreiro do Paço - , têm aqui uma oportunidade de dizer das suas razões.

Sem comentários:

Enviar um comentário