quinta-feira, 5 de abril de 2018

Da nascente com passagem pela foz.



Por: Costa Pereira Portugal, minha terra
Embora visitante antigo da nascente do Lis só na segunda-feira, 2 de Abril de 2018 é que vi a origem do rio a jorrar água. Nas visitas anteriores aconteceu o que já em 1 de Abril de 2008 escrevi em post no blog Na Retaguarda, assim : pelo “ leito seco e musgoso do Lis, desço com passagem pela Rua das Camarinhas, até ao centro das Fontes, supondo que ver correr água no leito do Lis já só nas várzeas das Cortes, ou então já muito emporcalhada mais para baixo de Leiria.  
Enganei-me! Ainda me não tinha afastado uns 50 metros da origem do leito quando reparo que em frente o rio leva água e vejo ao lado, na sua margem esquerda, a fonte donde ela saí”.
Dessa visita ficou a foto da capela do lugar que registei deste modo: “Enquanto aguardava que o meu condutor às ordens chegasse ao largo da capela de Nossa Senhora de Lourdes, padroeira do bucólico lugar das Fontes, para me fazer mais alguma surpresa notei junto à ponte vizinha do local, existir uma coletividade denominada Associação Cultural e Recreativa Nascente do Lis”.
É que claro que entrei e vai de  tomar um cafezinho, que me soube muito bem.
Não tardou e a surpresa também: foi a visita à "vetusta capela, com alpendre,  da milagrosa Senhora do Monte, que se situa a nascente do lugar de Abadia e junto à estrada que das Cortes passando por esta povoação dá acesso, por ali, ao "Miradouro" da Senhora do Monte”. 
Uma década depois e na mesma ocasião fiz visita semelhante, como alias é costume sempre que tenho amigos que me acompanhem e gostem de conhecer o que nas terras e regiões existe de belo para admirar. Pena é ser como os frutos que só se podem colher na época própria das colheitas. E neste caso nem sempre em data determinada acontece, depende das chuvas e das trovoadas que fazem as terras abrir as frinchas por onde a força da água rompe e como por magia dá inicio ao leito do rio Lis. Do género existe o Agroal e a nascente do Alviela que também várias vezes já visitei. Estes diferenciam-se da nascente do Lis porque o seu caudal na origem é permanente.
 A uns 40 metros afastado da nascente, este é o caudal que na segunda-feira, 2 de Abril, encontrei; naquele leito que sempre tenho encontrado “seco e musgoso”. Mereceu bem a visita que com bajouquenses familiares e amigos me trouxeram em passeio com eles.
Localizado a cerca de 40 km da sua foz, a praia da Vieira de Leiria, e a 90 metros de altura, em relação ao nível do mar, o rio Lis é o responsável pela produção agrícola que a farta veiga  que das  Cortes à Vieira tem fama e proveito. E para minha satisfação neste passeio até foi mesmo da nascente com passagem pela foz.

Nota: Não foi possível tecnicamente publicar as duas últimas imagens

Sem comentários:

Enviar um comentário