segunda-feira, 19 de junho de 2017

O retrato implacável de um pântano


 Eduardo Dâmaso - revista Sábado

O trabalho que faz a capa desta edição da Sábado faz um retrato contundente do regime construído nos últimos 20 anos e cujos traços essenciais estão em casos como a Operação Furacão, o processo Monte Branco e a Operação Marquês, entre outros.

Em 20 anos passámos da euforia à depressão e da modernidade à bancarrota. Nada que uma Nação com mais de 800 anos não aguente. Talvez por isso, por essa ideia de termos um passado e uma geografia que é em si um valor estratégico para a Europa e que sempre nos dará um futuro qualquer, vivamos agora de forma tão intensa e tão centrada no presente a ideia de que estamos de novo à beira de um milagre económico. A ideia, afinal, de que estamos outra vez a caminho do pelotão da frente na corrida das nações mais desenvolvidas. Vivemos uma euforia colectiva que relativiza a importância dos sinais mais negativos. E como eles nos acompanham há tanto tempo, incólumes aos ciclos políticos.
Nesta edição da Sábado relatamos o essencial de um livro escrito pelo jornalista desta casa António José Vilela, que vai ser distribuído em breve nas livrarias. E fazemo-lo não porque se trata de alguém da casa, mas porque é uma obra que nos mostra as geografias mais obscuras dos vários poderes que, no pós-25 de Abril, construíram o regime político, judicial e económico a seu bel-prazer. Um regime que fabricou fortunas gigantescas e muito rápidas sem qualquer causa honrada que seja visível e, no reverso, deixou facturas pesadíssimas às famílias portuguesas, como as rendas da energia, da água, dos transportes.
O livro explica-nos isso mas, sobretudo, exibe a céu aberto o clima de verdadeira guerra civil, mais ou menos silenciosa, que há anos existe nos subterrâneos desses poderes com a justiça. Por ali, percebemos melhor do que no paupérrimo debate público e político sobre a justiça e os ditos casos mediáticos, da Operação Furacão ao processo de Sócrates, porque é que nada acontece neste país quando todos os símbolos desse regime construído após as privatizações - banca, Portugal Telecom, uma economia de rendas construída sob a vampirização do Estado - são varridos por um ciclone de escândalos. E nada, ou quase nada, acontece senão a exposição pública do roubo ao erário público, porque os ilustres arguidos da esmagadora maioria destes casos representam o poder da elite económica que dominou o jogo da política.
Foram eles que criaram as leis que apenas prevêem a possibilidade de os bancos serem vítimas e não autores de crimes. Foram eles que criaram a lei e as maiorias necessárias para privatizar grandes empresas como a PT ou a EDP. Foram eles que criaram e promoveram os ministros e os deputados necessários para legislar e votar em função dos interesses dos criadores. Foram eles que atrasaram a previsão legal de crimes como o tráfico de influência, o branqueamento ou mesmo a corrupção, ou que os colocaram num patamar de impossível produção de prova. Também foram eles que criaram uma corte mediática de jornalistas, comentadores e opinadores diversos que se encarregaram de fazer a marcação a opiniões críticas, produzir o panegírico dos respectivos padrinhos e atacar a justiça por todas as fendas possíveis - do segredo de justiça à colaboração premiada. Foram eles, aliás, através dos seus ministros e deputados que criaram leis como aquela que prevê premiar a colaboração numa investigação se ela ocorrer 30 dias após a prática do crime e sempre antes da abertura do inquérito…
Esta verdadeira anedota criada por via legalislativa é a grande metáfora daquilo que essa elite pensa do povo deste país: um bando de tolos que se conduz para aqui ou para ali desde que tenha a dose adequada de pão, bola e religião. Está tudo no livro que antecipamos e que nos faz perceber como o fio condutor do dinheiro nos leva ao encadeamento dos casos uns nos outros e, claro, sempre às mesmas personagens.

Sem comentários:

Enviar um comentário