terça-feira, 13 de junho de 2017

O fim de Balsa – a antiga cidade romana de Tavira


Balsa foi uma das maiores cidades romanas do seu tempo. O seu perímetro situava-se na freguesia da Luz, concelho de Tavira, distrito de Faro. Mesmo junto da Ria Formosa, na geografia de Torre d’Aires, Antas e Arroio. Pertenciam aos seus subúrbios as terras de Pedras d’El Rei, Luz, rato e Pinheiro.

Pela sua importância estratégica é mencionada nas listas de cidades do Império Romano, elaboradas por Pompónio Mela e Plínio-o-Velho, no século I, e por Ptolomeu no século II. Posteriormente, a sua referência surge como uma das etapas de um dos Itinerários de Antonino – Roteiro de estradas e rotas navais do século III. É ainda citada depois do desmoronamento do Império Romano do Ocidente, na Cosmografia do anónimo de Ravena (século VII), com fundamento em documentos de grande antiguidade.
A sua história urbana inicia-se no século I a.C., terminando nos séculos VI-VII da nossa era. O seu apogeu urbanístico atingiu-o no século II, chegando a ocupar uma área de 47 hectares (excluindo subúrbios e necrópoles), tornando-se assim uma cidade considerável do Império, bastante acima da média urbana da província daq Lusitânia, destacando-se mesmo de Olissipo (Lisboa) – 26ha, Ossonoba (Faro) – 22 ha e Conimbriga (Condeixa-a-Velha – 24 ha. Chegando mesmo a ser oito vezes maior que a zona amuralhada da Tavira medieval (5,5 ha).
Sitio arqueológico
Era sede de civitas (com autonomia municipal) que abrangia todo o Algarve Oriental entre Bias e o Guadiana, e cunhou moeda própria em meados do século I a.C.
Recentemente, um holandês comprou por 1,2 milhões de euros, uma quinta que se situava nos antigos subúrbios desta cidade romana. Mandou arrasar tudo o que estava em pé, para construir de novo. Parece que a obra foi embargada, mas quem tem perdido é o Património Português.
Desde 1977 que os poderes têm sido alertados pelos arqueólogos, para o valor patrimonial representado pela antiga cidade de Balsa. Mas os interesses sobrepõem-se ao bem geral. Porque o país possui uma das administrações mais corruptas da Europa, constituída, nos lugares de decisão (cimeiros), pelos amigos dos políticos. Como é disso bem evidente o recente caso TAP.

Sem comentários:

Enviar um comentário