domingo, 7 de maio de 2017

  Um mês de rosas e rosários

Por: Costa Pereira  Portugal, minha terra

No mês de Maio só não havendo por perto uma igreja consagrada a Nossa Senhora é que procuro outra para assistir à missa. Também conhecido por Mês de Maria, São Josemaria Escrivà ensinou as filhas e filhos seus no Opus Dei a fazerem e promoverem durante este lapso “romarias” a igrejas e santuários de devoção mariana, de modo a manter viva uma tradição antiga de prestar homenagem à Virgem Maria, mãe de Jesus, e nossa mãe.
Da escolha do 5º mês do Calendário para recordar Nossa Senhora, conta o Prof. André Luiz Oliveira: “Com estudos e pesquisas cheguei à conclusão de que a devoção de dedicar este mês à Virgem tenha surgido por volta do século XIII, na Europa, em um período de grande “marianismo” e conclui que mais ainda por uma questão climática, Maio é o mês das flores e se encontra na plenitude da Primavera, neste tempo as árvores florescem e os jardins se ornam com flores de todos os tamanhos, odores e cores. Para homenagear a Mãe do Filho de Deus, alguém muito sabiamente escolheu este mês por ser ele todo florido, fazendo um comparativo de Maria: “A flor mais bela do jardim de Deus!”. E pessoalmente acredito que esta dedicação se reforçou pela semelhança das palavras: Maio e Maria”.
Diz ainda: “Dedicar um mês a Maria, com certeza é uma prática bem antiga, chega a ser difícil ter uma precisão de data, é antes de tudo algo que faz parte da tradição do povo, que nas igrejas e capelas do mundo inteiro lhe dedicam ofícios, ladainhas, terços e as belas coroações. Essa é a maneira carinhosa de reconhecermos aquela que trouxe ao mundo o Filho de Deus (cf. Lc 1,26-38), pois não há “Jesus sem Maria e Maria sem Jesus”. O Dia da Mãe que em Portugal chegou a ser celebrado a 8 de Dezembro, dia da Imaculada Conceição, é hoje festejado no primeiro domingo de Maio, que este ano calha no dia 7. É um mês de rosas e rosários.

Sem comentários:

Enviar um comentário