segunda-feira, 17 de abril de 2017

As cerimónias pascais de 2017


Por: Costa Pereira  Portugal, minha terra

Na capital do barro leiriense é um regalo passar uns dias e sobretudo nas quadras festivas que o calendário assinala ou daquelas que são fruto da sociabilidade e do regionalismo típico do  povo português. A quadra pascal é uma das mais azadas para isso, e eu sou há muitos anos useiro e vezeiro no aproveitar essa ocasião para conviver com a comunidade bajouquense e partilhar com ela nos eventos que animam e alegram toda a população, sobretudo aqueles que giram à volta das cerimónias religiosas e congregam toda uma comunidade assumidamente cristã e muito generosa. Mal cheguei à Bajouca Centro, na manhã de 5ª-feira, dia 13, fui, em primeiro lugar, cumprimentar o Patrão da terra, e ver como estava arrumada a casa para as cerimónias do fim  de tarde desse dia. 
Como de costume tudo arrumadinho e às 20h30 lá estava o Sr. Padre Melquiades em cortejo da sacristia para o altar e celebrar a Missa, que assina-la o inicio do Tríduo Pascal, na qual são repetidos os três gestos que Jesus deixou expressos na ultima ceia: a Instituição da Eucaristia, o Exemplo do Lava-pés e a instituição do Sacerdócio. Finda a parte eucarística da Missa, o corpo místico de Jesus, nesse dia, em vez de recolher ao Sacrário vai em procissão para outro compartimento da igreja e ali permanece até às cerimónias de sábado de aleluia. 
Na 6ª-feira ao recordar a morte de Jesus, celebra-se a Solene Acção Litúrgica, Paixão e Adoração da Cruz, que encerrou com a distribuição da Eucaristia. Solene cerimónia, presidida pelo pároco, Sr. Padre Davide e coadjuvado pelo Sr. Padre Melquiades que teve inicio às 18h30. No fim decorreu no Salão Paroquial uma espetacular exibição teatral digna de  ser representado em qualquer dos melhores palcos de vilas e cidades.
O Nazareno que já por mais duma vez vi exibir por esta gente bajouquense e na Bajouca, este ano ganhou qualidade com a Filarmónica de Santo Aleixo, sob regência do Maestro Nelson Arneiro Caetano, e o Grupo Juvenil da Paróquia que preencheram e deram o mote a um espetáculo adaptado à quadra e ao sentimento cristão de uma comunidade que em peso participou e aplaudiu. Só visto.
Com representação ao vivo, esta cena mostra a qualidade e a arte desta juventude que do berço aos “entas” bem avançados, dá lições a muitos profissionais. Uma 6ª-feira Santa muito bem vivida.

Sem comentários:

Enviar um comentário