quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

As ilhas gregas de Lawrence Durrell

Surgiram recentemente nas bancas um conjunto de livros sobre viagens. Clássicos editados pela Relógio D’Água.
Já se fez referência a Nikolái Gógol. Mas esta colecção é composta por outros tantos de igual envergadura: Tchékhov, Rómulo de Carvalho, Eça de Queirós, Fernão Mendes Pinto, Gertrude Stein, Anne Marie Schwarzenbach, ou Goethe.
“As ilhas Gregas” de Lawrence Durrell são viagens de encher o olho.
Durrell nasceu em 1912, no norte da Índia, perto do Tibete. O pai era inglês e a mãe irlandesa. Em 1935 mudou-se com a família para Corfu, na Grécia, e fez amizade com Henry Miller depois de ter lido “O Trópico de Capricórnio”. Em 1941 foge do exército alemão para o Cairo e, no ano seguinte para Alexandria
Nesta obra, Durrell oferece-nos uma bela descrição das pessoas, da paisagem e da cultura gregas. Refere a história e a mitologia enquanto passa pelas diversas ilhas do Jónico e pelo estreito de Dardanelos – o Helesponto dos Gregos. Pelo qual havia de passar Alexandre para conquistar a Ásia.

Sobre a Grécia leiam-se ainda “Le Labyrinthe au Bord de la Mer” do poeta polaco Zbigniew Herbert, “Corazon de Ulises” de Javier Revert, escritor e viajante espanhol, e ainda “O Colosso de Maroussi” de Henry Miller.

Sem comentários:

Enviar um comentário