quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

Quid júris?


Passada quase uma década após a festa da Parque Escolar, andam por aí agora umas escolas a dizer que não têm condições. Nem para os alunos, nem para os professores, nem para os funcionários. Não têm luz, ar condicionado, e por aí fora.
É, porém, bom saber, que as mesmas escolas que agora se queixam das medidas que foram tomadas no tempo de Sócrates e da dona Maria de Lurdes Rodrigues, são as mesmas que se tornaram “fãs”, á época, do mesmo cavalheiro e da mesma senhora.
À época, chegaram mesmo a adular (quase patologicamente) a senhora e o cavalheiro, promovendo as patifarias que hoje são conhecidas. E se a corrupção grassou nesses estabelecimentos de ensino (ressalvem-se as excepções) é porque os seus dirigentes se corrompiam à velocidade dos governantes.
É chato, de facto, estar num estabelecimento de ensino (neste caso público!) sem água, ar condicionado ou papel higiénico. Mas mais chato é ter contribuído para que isso acontecesse. Sem voz critica, sem espinha, adulando corruptos e afins. Quem agora sofre são aqueles que em nada para isso contribuiram: os alunos, os funcionários e alguns professores. Quid júris?

Sem comentários:

Enviar um comentário