sexta-feira, 29 de julho de 2016

Um povo pachorrento (ou imbecil)

Se a memória não falha, Costa congeminou esta governança, apoiado na dona Catarina e no sr. Jerónimo, prometendo aos portugueses o fim da austeridade, a reversão das pensões e dos vencimentos e a subida dos salários consoante a inflacção. Já depois da campanha eleitoral, sem antes da mesma ter anunciado a matreirice, mesmo que uma semana antes de quatro de Outubro, o Expresso tivesse aludido a isso em primeira página.
Pelos vistos, as três promessas que sustentaram a matreirice são como ponto no infinito. A austeridade é para continuar com a subida (absurda) dos impostos, as reversões têm sido uma falácia (que o digam milhões de portugueses), quanto aos vencimentos vão ser congelados em 2017. Como já foram recongeladas as carreiras por estes três cavalheiros que à boca cheia se atiravam contra Passos e Portas porque, diziam à época, “a austeridade tinha de acabar”. Viu-se.
E o povo com aquela serenidade pachorrenta (ou imbecil) de burro de carga, atura-lhes estas aldrabices sem um ai! Quando o estrondo se anunciar já não irá a tempo, mas talvez aprenda de vez. E os dois cavalheiros e a senhora trotskista tomarão o caminho que, se tivessem alguma vergonha, estariam agora a iniciar.

Sem comentários:

Enviar um comentário