sábado, 16 de janeiro de 2016

Na Rússia já se queimam livros


 Censura

José Milhazes - in: OBSERVADOR

A intolerância política na Rússia aumenta na medida em que a situação económica e social se agrava. A queda do preço do petróleo está a provocar um verdadeiro ataque de nervos no Kremlin.

Dezenas de títulos estão a ser queimados por ordem das autoridades de Komi, uma das repúblicas da Federação da Rússia, só porque a sua edição foi apoiada pelo mecenas norte-americano George Soros.

Povo de Komi
Segundo o Ministério da Educação e da Política Juvenil de Komi, 53 manuais universitários foram retirados da biblioteca do Colégio Geológico de Vorkuta. Entre os livros atirados para as fogueiras estão manuais escritos por conhecidos professores da Universidade de Moscovo, da Escola Económica Superior e de outras prestigiadas escolas de ensino superior da Rússia.
O mesmo ministério informa que na Universidade Técnica de Ukhta, outra cidade de Komi, foram destruídos 413 livros e na Escola Politécnica de Vorkuta, 14.
A explicação dada pela directora da biblioteca do Colégio Geológico de Vorkuta é de que os livros queimados “estavam velhos” ou “não eram solicitados”. Porém, coincidência ou não, todos esses livros foram editados nos anos de 1990 no âmbito do programa “Renovação do Ensino de Ciências Humanas da Rússia”, financiado por George Soros.
Então, quando a Rússia atravessava por um difícil período económico, organizações não-governamentais estrangeiras, entre algumas financiadas pelo norte-americano de origem judaica que fugiu da Hungria às perseguições nazis, decidiram apoiar financeiramente escolas e universidades russas.
diário russo Kommersant
Segundo o diário russo Kommersant, a Fundação Soros investiu, entre 1995 e 2003, mais de mil milhões de dólares em programas científicos na Rússia, tendo concedido bolsas a 64 585 professores e estudantes.
Em 1995, alguns órgãos de comunicação russos acusaram as organizações de Soros de prejudicarem a Rússia ao apoiarem a “fuga de cérebros”. A Comissão para a Instrução da Duma Estatal, câmara baixa do Parlamento da Rússia, investigou a actividade dessas organizações e a Duma acabou por agradecer a George Soros “pelo contributo dado à conservação e desenvolvimento da instrução da ciência, instrução e cultura nacionais”.
Porém, os tempos mudaram e, em Julho de 2015, o Parlamento Russo aprovou uma lista de organizações cuja actividade é indesejada no país, entre as quais se encontram as organizações financiadas por George Soros. A explicação dada é que, actualmente, a Rússia “enfrenta o maior ataque nos últimos 25 anos contra ao seus interesses, valores e institutos nacionais”, cujo objectivo é “minar a unidade patriótica” e boicotar os processos de integração no âmbito da Comunidade de Estados Independentes.
O que não se compreende muito bem é como manuais sobre lógica, surrealismo francês e criminalística possam contribuir para atacar os interesses russos.
As autoridades de Komi não são pioneiras na “limpeza ideológica” nos institutos e universidades. Em Agosto do ano passo, o Ministério da Educação da Região de Sverdlovsk, nos Urais, ordenou que das bibliotecas fossem retiradas as obras de Antony Beevor, escritor e historiador britânico que escreveu obras como Estalinegrado e Berlim- a Queda 1945. Beevor sofreu pesadas críticas do governo russo pelos factos relatados na segunda obra, que narram as atrocidades cometidas pelos dois lados no final da guerra, mas principalmente as cometidas pelo Exército Vermelho contra a população alemã, notadamente o estupro em massa de mulheres de todas as idades nas semanas seguintes à rendição nazi e à ocupação soviética da Alemanha.
Outro autor alvo da censura foi John Keegan, outro conhecido historiador militar britânico. Os livros de ambos foram considerados “repletos de estereótipos propagandistas do nazismo”.

No dia 10 de Maio de 1933, foram queimadas em praça pública, em várias cidades da Alemanha, as obras de escritores alemães inconvenientes ao regime.
Desde a época da Alemanha nazi que não se viam fogueiras de livros. Nem nos anos mais negros da União Soviética se recorreu a essa prática. Os livros proibidos eram escondidos a sete chaves nas bibliotecas, mas não atirados para as fogueiras.
A intolerância política e ideológica na Rússia aumenta na medida em que a situação económica e social se agrava. A queda do preço do petróleo nos mercados internacionais, que provoca o enfraquecimento da moeda russa e o aumento da inflação, está a provocar um verdadeiro ataque de nervos no Kremlin. O nível de vida dos russos agrava-se rapidamente, sendo a classe média mais afectada.
São cada vez menos os russos que acreditam que a culpa da situação no seu país é de Barack Obama ou de Angela Merkel (como tantas vezes repete a propaganda oficial) e, em ano de eleições parlamentares, a degradação da situação no país nada promete de bom ao partido Rússia Unida, principal base de apoio do Presidente Vladimir Putin.


Sem comentários:

Enviar um comentário