quinta-feira, 14 de maio de 2015

A sociedade dos direitos retorcidos da coadopção ou para que servem os padrinhos de baptismo e a família?




Jorge Lage
2- A sociedade dos direitos retorcidos da coadopção ou para que servem os padrinhos de baptismo e a família? – Quando se têm filhos, netos ou sobrinhos de tenra idade não podemos deixar de nos questionar sobre a lei da adopção, matérias em que não penetro. E dei comigo a pensar, que os meus netos, que ajudo a criar, se um dos pais tem uma fatalidade… Depois, continuo a raciocinar e se o par, por contrato notarial, virar gay, juntando-se a um novo companheiro, e há mais uma fatalidade, as crianças passam a ser criadas por terceiras que nada tiveram a ver com elas, na concepção ou no sangue. Mais, não conta o direito sanguíneo e familiar, nem a vontade dos pais, expressa no baptismo, e entrega-se a criança a pessoas de outros costumes. O amigo Toninho, ao ouvir o meu raciocínio, reagiu com violência: só a tiro! E manifestou-se contra os políticos que deviam trabalhar para bem do país e dos desfavorecidos. Vivemos numa sociedade em que o criminoso tem todos os direitos e esquece-se a vítima. Qualquer grupo social, político e de costumes devia impor-se pelo trabalho e obras em prol do bem comum em vez de exibicionismos. Por este andar, os que sempre tentaram guiar-se pelos valores culturais e sociais que lhe foram transmitidos pela família e crença ainda passam para a marginalidade. Isto é cíclico e nós estaremos a entrar numa nova era da humanidade em que nada será como dantes. Alguém, nem que tenha ser a Mãe-Natureza irá pôr ordem nisto.

Sem comentários:

Enviar um comentário