terça-feira, 29 de julho de 2014

O extermínio de minorias


Deportação em Massa - Genocídio dos Arménios em 1915 pelos Turcos
A propósito do actual conflito israelo-palestiniano, o Doutor Rúben Serém, em artigo publicado no jornal Público (27 de Julho), alerta para certos conflitos que alastram pelo Mundo, e a que a Comunidade Internacional não tem dado a devida importância.
Os Xiitas[1], uma minoria iraquiana, têm sido liquidados aos milhares por esse obscuro auto proclamado Califado islâmico (ISIS). Ao mesmo tempo que são oprimidos no Bahrain, no Iémen e na Arábia Saudita (a Meca da intolerância).
É ainda no Iraque que os Assírios[2] (cujo último enclave é a planície da histórica Ninive, depois do genocídio turco em 1915 – às populações assírias, arménias e gregas) e Yazidi, populações autóctones, vivem sob o jugo muçulmano há séculos, desde a invasão árabe. Em 2007, por exemplo, cerca de 800 membros da minúscula comunidade  Yazidi[3], foram chacinados num único dia (14 de Agosto). Nenhuma voz de protesto se fez ouvir na Europa. Também no Iraque, estão quase extintos os Mandeus[4] e os Shabaks[5]. E o que dizer dos Curdos, distribuídos por três países[6]?
Genocídio no Ruanda

Outra minoria ignorada e frequentemente hostilizada (com linchamentos, etc.), é a comunidade copta[7] do Egipto. O massacre de Maspero, em 2011, é um bom exemplo. Os coptas sudaneses correm igualmente perigo de extinção. No Sudão, corre perigo actualmente, a comunidade negra do Darfur, fustigada por Omar al-Bashir, formalmente acusado de genocídio, e aolvo de um mandato internacional de captura emitido pelo Tribunal Penal Internacional em 2009. Sobre este caso, é ensurdecedor o silêncio cúmplice da Liga Árabe!
A Grande Fome na Ucrânia - Genocídio Soviético
Na Mauritânia, a escravatura abolida em 1981(!), mantém-se por via de um sistema dominante de castas, de uma minoria árabe. E, nos olhos da Comunidade Internacional, ocupa, desde 1975, 1/3 do território do Sara Ocidental. Os outros 2/3 foram anexados por Marrocos, violando a deliberação do Tribunal Internacional de Justiça.
No que respeita a anexações de território, é ainda alarmante o que se passa com a auto proclamada República Turca do Chipre do Norte que, desde 1974, tem menosprezado as resoluções da ONU.
Ainda ontem o Departamento Americano alertou para a perseguição religiosa nos quatro cantos do Mundo. Os países em que mais se nota são: República Centro Africana, Birmânia e a Síria (perseguição aos cristãos).

Armando Palavras



[1]Comunidade muçulmana, cujas tradições islâmicas, apenas são consideradas verdadeiras, as transmitidas através dos familiares de Maomé.
[2]Individuo natural da antiga Assíria, na Mesopotâmia (actual Médio Oriente – Iraque). O vocábulo aparece cedo nas citações bíblicas. Um determinado Assurim, filho de Dadan, neto de Jacoan, bisneto de Abraão.
[4]Seguidor de uma religião gnóstica dualista que hoje existe no Iraque e no Sul do Irão, que floresceu na Mesopotâmia, no século IV A.C. (provavelmente de origem pré-cristã). Valoriza a fertilidade e o baptismo e considera Jesus Cristo e o Espírito Santo forças maliganas.
[6]Iraque, Síria e Turquia.
[7]Denominação dada a um grupo de cristãos, com rito próprio, dissidentes das igrejas romana e bizantina. Grupo de católicos que mantém o antigo rito copta.

Sem comentários:

Enviar um comentário