quarta-feira, 22 de outubro de 2014

O Cónego Silvério Pires, um mirandelense que nos orgulha



Jorge Lage
6- O Cónego Silvério Pires, um mirandelense que nos orgulha – Encontrei-me com o Cónego Silvério, em Chelas, em casa da minha irmã. Foi tão inesperado!... Trocamos os nossos contactos tecnológicos. Andava a tratar das obras de restauro da igreja da minha aldeia. Já a amiga Gentil Vaz me tinha dito que «estava na luta» de tornar a igreja mais digna e eliminar as infiltrações de água. Acrescentou o Cónego Silvério: uma pequena casa de banho e um contador de energia mais potente são indispensáveis. O telhado da sacristia está a ser robustamente barrotado e o granito das cornijas terá mais dignidade e diálogo com quem o mirar. É uma pessoa muito sensível à arte sacra e ao património. Depois, com insistência e convicção, foi-me dizendo que me queria na inauguração das obras, que terão a presença do Bispo da nossa diocese. Fui-lhe dizendo, que ninguém é profeta na sua terra e que não gosto de grandes «adjuntos». Sou pessoa mais de trabalho e menos de me mostrar. Além disso, estou ligado a uma grande paróquia de Braga onde entrego as minhas contribuições, sem ir a festas. Dedico-me, voluntariamente (vou pondo dinheiro do meu bolso), há mais de 20 anos a dar mais formação a jovens das escolas. Ao ilustre cónego Silvério tenho que estar muito grato, por saber que defende as gentes da nossa corda e a mim já me defendeu pelas costas, sem nunca lhe ter pedido (e agradecido). Também lhe agradeço o ter aceite dar assistência religiosa às gentes da minha pequena aldeia. O Cónego Silvério fascina-me pela sua postura, pelo seu dinamismo que se reparte entre algumas aldeias de Mirandela e o Seminário de Bragança e a diocese. A sua modéstia (até no utilitário carro que usa) contraste com a figura que impõe respeito granjeado numa vida a servir, com destaque, a Igreja bragançana. Quero-lhe expressar os meus parabéns por ter metido mãos à obra no restauro da igreja de Chelas e a todos os que contribuíram para custear a mão-de-obra, já que o município deu os materiais e que louvo.

Jorge Lage – jorgelage@portugalmail.com – 19SET2014


Provérbios ou ditos:

Em Outubro já o lume é amigo.
Homem grande em terra pequena não se governa.
Diz o castanheiro ao pastor: - quando vires o ouriço arreganhado, não deixes vir aqui o gado!

Sem comentários:

Enviar um comentário