sábado, 7 de abril de 2018

Um foragido



O juiz Sérgio Moro deu ordem de prisão a Lula da Silva. Teve o cuidado de respeitar a dignidade do cargo que o antigo metalúrgico exerceu, ao ordenar que não fosse sujeito a algemas e fosse colocado em lugar especial na prisão, longe do preso comum (porque não lhes é um igual! - imagine-se, para quem defendia a "igualdade"!). Tal como aconteceu na aldeia lusa com o sr. Pinto de Sousa (vulgo Sócrates, ou Sócras para o “Zé da tasca” e alguns acólitos do bando).
O sr. Silva acatou a ordem do juiz. Disse que se iria entregar, etc, etc. Em vez disso, foi refugiar-se na sede dos metalúrgicos (do partido) para se armar em herói. Seria preso, mas com a seita em clamor! O estilo de uma certa escumalha que desde o início do século XX lançou o terror pela Europa e pelo resto do mundo. Que o diga Fyodor Dostoevsky que analisa as origens do terrorismo moderno em Demónios, ou André Malraux (embora com sentido diferente) n’A Condição Humana.
Este teatro encenado por Lula e acólitos trouxe-nos à memória o célebre livro do não menos célebre Ernest Hemingway: Por quem os sinos dobram.

Sem comentários:

Enviar um comentário