domingo, 9 de julho de 2017

Hamburgo e o G20


Os acontecimentos selvagens de Hamburgo, na Cimeira do G20, só deixam estupefactos aqueles que desconhecem o percurso politico e social das esquerdas. Aliás, as autoridades alemãs há muito que se preparavam para isso. Porque foi na Alemanha que tudo aconteceu no inicio do século XX.
A biografia de Rosa Luxemburgo, que deixou a sua Polónia natal para ingressar no Partido Social-Democrata alemão, foi genialmente contada por J.P. Netil. E ainda hoje não existe melhor livro que retrate o período crucial do socialismo europeu, desde as últimas décadas do século XIX até ao dia fatídico de Janeiro de 1919, em que Rosa Luxemburgo e Karl Liebknecht (os dois lideres da Spartakusbund - precursora do partido Comunista Alemão) foram assassinados em Berlim, com a conivência do regime socialista então no poder.
O que aí se passou nesse tempo, deixaria o cidadão comum de hoje  atónito. Desde considerar-se este assassinato legal, até tentar inserir a Alemanha no Império Vermelho, depois da Primeira Guerra, por Moscovo – apenas não concretizada por uma organização para militar (Freikorps), onde se iriam recrutar os futuros nazis (também implicada neste assassínio).
Foi, pois, com este assassinato que se fez a cisão da esquerda europeia em partidos socialistas e comunistas. Foi uma cisão irrevogável, como o tempo demonstrou. E todos aqueles que se desiludiram com o Partido Socialista se tinham aproximado do Partido Comunista, acabaram por ter uma desilusão ainda maior com o declínio moral e a desintegração politica do Partido Comunista.
O debate de Edward Bernstein (critico de Marx – como o fora Rosa), no SPD alemão, colocou a alternativa entre reforma e revolução. Lenine que se iniciara como social democrata escolheu a revolução. Mas o tempo deu razão a Rosa. 
Os próprios socialistas alemães depois de Rosa ter assistido à primeira revolução de 1905, e contar os factos, estavam convencidos que tais coisas só aconteciam em países Bárbaros e distantes (Hannah Arendt).
Os acontecimentos de Hamburgo têm esta génese, não fossem eles consumados por gente da velha esquerda. Os sovietes portugueses (Jerónimo, Catarina, Costa, Mariana, e por aí adiante), podem dizer o que quiserem. A sua génese ideológica é essa.

Sem comentários:

Enviar um comentário