domingo, 15 de janeiro de 2017

Vilar de Ferreiros, nas ferrarias


Por: Costa PereiraPortugal, minha terra

 Tudo quanto até hoje foi divulgado sobre Vilar de Ferreiros, está documentado e mencionado ainda que de forma sucinta em A Ermida do Monte Farinha, de Primo Casal Pelayo; e com mais pormenor descritivo em “Vilar de Ferreiros – na história, no espaço e na etnografia”, de minha responsabilidade. Pela leitura sabemos que antes de ser a freguesia actual, foi sede de município (mesmo que rudimentar), reguengo real, e gozou das mesmas regalias municipais dos seus vizinhos de Ermelo. Localizada a 5km. da margem esquerda do Tâmega, uma vez mais recordo este pedaço de terra transmontana de Basto, onde nasci, e do pico do Monte Farinha dei liberdade ao meu pensamento para voar.
Foi, em tempo de guerra (a 2ª Mundial), começar por calcorrear toda a montanha, desde Vilar a Lamas-de-Olo, de Adoria a Macieira ou  nas margens ribeirinhas do rio sagrado “tameobrigus”, percorrer tudo quanto de caminhos e atalhos livres de Fermil a Ribas permitiam passar de canastro de trigo ao ombro. Assim foi até vencer e dobrar as cimalhas do Marão e da Lameira, e deixar para traz as terras de Santa Senhorinha e em liberdade poder viajar…. Mas antes foram as aldeias todas da minha freguesia a serem bem conhecidas: Campos, Cainha, Covas, Pedreira, Vila Chão, Vilar de Ferreiros e Vilarinho. Ali aprendi a conhecer a flora e a fauna da região, e já mais tarde a ser ferrenho defensor da sua história e do seu património natural e construído. O povoamento deste território iniciou-se muito cedo, remontando a épocas pré-romanas, como atestam os vestígios arqueológicos espalhados a esmo por toda a montanha e evidentes em fortificações castrejas localizadas, estrategicamente, nos montes Farinha, Palhaços e Palhacinhos”. Estes últimos dois nomes correspondem ao “Meão Grande” e “ Meão Pequeno”, títulos porque também os conheci e conheço. O orago desta acolhedora freguesia é S. Pedro, cuja festa se celebra, a 29 de Junho. E das figuras notáveis a quem deve vénia merece memória o Abade de Miragaia, o Padre Joaquim Maria Rodrigues de Morais, o Padre Manuel António de Morais Miranda, o Dr. Primo Casal Pelayo, D. António Valente da Fonseca, D. António Cardoso Cunha, D. Joaquim Gonçalves e o Padre Manuel Joaquim Correia Guedes. Lembrei-me fazer este arrazoado, no passado dia 11, por ser o Dia Internacional do OBRIGADO.


Sem comentários:

Enviar um comentário