domingo, 4 de dezembro de 2016

Os amigos do povo português


Alberto Gonçalves – Diário de Noticias

Zelosa, a AR aprovou não um, mas dois votos de pesar pela morte de Fidel Castro, dois votos mais do que o sujeito teve em 90 anos de vida. O voto do PCP (que louvou o "ideal e projeto de construção de uma sociedade justa e solidária" e o "amigo do povo português") contou com a aprovação de todos os deputados comunistas, BE incluído, a oposição do CDS e, com poucas excepções contrárias, a abstenção de PSD e PS. Quanto ao voto do PS (que refere o "intenso e apaixonado debate entre os que aderem e os que se opõem" ao "percurso ideológico e político" do falecido), foi aprovado pelo PS (menos Sérgio Sousa Pinto) e pelos partidos comunistas, com a oposição do CDS e, com poucas excepções contrárias, a abstenção do PSD.
Duas ou três coisinhas. Não espanta a unanimidade de PCP e BE, tanto a decidirem em rebanho como a exaltarem um assassino particularmente cruel e um dos maiores inimigos de liberdade no século XX. Começa a não espantar o apreço de boa parte do PS por ideologias totalitárias, que se tornou óbvia após a aliança de Novembro de 2015, embora não tenha nascido aí. É bastante deprimente que, por omissão, além da cobardia e da pura idiotia, até o PSD - e, que eu saiba, Pedro Passos Coelho - legitime tamanha vergonha.
Contas feitas, directa ou indirectamente, cerca de noventa por cento dos representantes do povo acham Fidel digno de encómios - ou no mínimo toleram-nos. Ou a representatividade é uma fraude, ou é oficial que quase todos os portugueses defendem regimes fundamentados na prisão, tortura e morte de dissidentes, na perseguição de minorias sexuais e religiosas e, para os afortunados, na mera opressão quotidiana, na censura e na miséria extrema. E em bailaricos de salsa.
Perante este cenário sem esperança, resta apurar se os portugueses serão vítimas de circunstâncias desafortunadas ou se merecem acabar mal. Porque não haja dúvidas: com a alucinada gente que manda nisto, isto vai acabar mal. Entretanto, no regresso de um feriado feliz, o país celebrou-se a si mesmo. Não nos falta orgulho no passado. O que nos falta é futuro.

Quinta-feira, 1 de Dezembro

Já é embaraçoso que um adolescente dedique poemas à namorada, à vizinha, à mãe ou à menina que o atende na loja da Meo. Mas que espécie de distúrbio leva um adolescente apenas mental a dedicar poemas a um velho milionário que vivia nas longínquas Caraíbas? Por outras palavras (e que palavras, Nossa Senhora!), o intelectual Boaventura Sousa Santos escreveu uns versinhos, em rima branca, ao falecido Carniceiro de Havana e nem uma junta psiquiátrica conseguirá explicar porquê. O lado positivo disto é que o dr. Boaventura escreve tão mal quanto pensa e, escusado acrescentar, o poema é uma galhofa pegada. E é a segunda vez numa semana que Cuba nos proporciona alegrias.
Sabia-se há muito que a veia lírica do dr. Boaventura rivalizava em grotesco com o seu trabalho académico. Dos remotos poemas eróticos ("faz parte desta gota/ ser a taça e alagar-se/ faz parte deste cisma/ ter entranhas e sujar-se/ faz parte deste coito/ estar a um canto a masturbar-se") às incursões pelo rap ("Jesus caminha/ caminha com alguém/ que pode ser ninguém/ Allah caminha/ nas ramblas de granada/ e não acontece nada"), o homem é um mestre do humor involuntário.
É também, sob determinada perspectiva, um sujeito invulgar. Qualquer pessoa que tivesse perpetrado semelhantes atentados à literatura fugiria sem deixar rastro no dia em que os visse cair no domínio público. Em geral, as pessoas têm vergonha. Na "poesia" (desculpem) e no resto, o dr. Boaventura não tem vergonha nenhuma. Por isso, mal o cadáver do ditador arrefecia e, a partir de um cantinho da Universidade de Coimbra, o mundo era abençoado com nove estrofes, livres e com antecanto, em louvor dele.
Não disponho de espaço para divulgar a peça na íntegra. Limito-me a notar que "Na morte de Fidel" contém referências a "comboios da imaginação", "manivelas de razão", "barcos polifónicos", "mobílias espirituais", "turismo de acomodação", "supermercados" e, claro, "azeite puro". Se o conteúdo parece saído de experiências médicas, o objectivo é óbvio: o dr. Boaventura presta vassalagem à causa que serviu a vida inteira, leia-se o despotismo de esquerda. O dr. Boaventura só não publicou um soneto sobre o Violador de Telheiras porque o tipo não desgraçou gente suficiente e, para cúmulo, se calhar vota no PSD.


Sábado, 3 de Dezembro

Um crime hediondo

Parece que dois pináculos do orgulho pátrio, Mourinho e Ronaldo, protegeram os rendimentos em offshores para fintarem os impostos. Quem o diz é o Expresso, na convicção de que se seguirá a indignação da praxe. Não duvido. Por algum motivo, certas pessoas ofendem-se imenso com os "paraísos fiscais" e pouquíssimo com os infernos fiscais que lhes deram origem. No sistema de valores em vigor, querer guardar o que se ganhou através do trabalho é mau; deixar que o Estado saqueie o que puder do trabalho alheio é bom. Faz sentido? Faz, principalmente se pertencermos ao grupo, cada vez mais vasto, dos que não trabalham de todo. Ou, pior ainda, dos que têm um trabalhão para que o saque continue.

Por decisão pessoal, o autor do texto não escreve segundo o novo Acordo Ortográfico

Sem comentários:

Enviar um comentário