quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Bem prega Frei Tomás

  
HENRIQUE NETO - jornal Público

O Dr. Carlos Carvalhas deve explicar aos portugueses o que fará no caso de o crédito externo ser cortado à República Portuguesa, às empresas portuguesas e aos portugueses em geral.

O PÚBLICO pediu ao Dr. Carlos Carvalhas para desenvolver a sua ideia de pagar a dívida portuguesa em escudos  em vez de euros. A tentativa de explicação encheu duas páginas do jornal mas, infelizmente, muito pouco foi explicado e o que o Dr. Carlos Carvalhas escreveu foram grandes generalidades com que até eu estou de acordo. De facto, é fácil de concordar que a “União Europeia só formalmente é uma união de iguais”, que “Portugal é um país formalmente independente, mas cada vez mais dependente”, ou que o “esforço financeiro que a dívida exige é colossal e vai continuar”. Até facilmente concordo que o nível de investimento “foi tão baixo que nem sequer deu para repor a capacidade produtiva”.
Acontece é que nada disto tem a ver com pagar a dívida em escudos, que é uma moeda que não existe e, por isso, será bom que antes de avançar com a ideia se pergunte aos portugueses, que recebem os salários e têm as suas contas no banco em euros, se estão disponíveis para os trocar e a que valor. Será também útil que o Dr. Carvalhas explique aos portugueses o que quer dizer com a reestruturação da dívida, ou com quem pretende levar à prática “a redução dos contratos da dívida externa não titulados em direito português”, como sugere. Suspeitando que os credores não aceitarão perder o dinheiro que nos emprestaram, a pergunta óbvia é o que fará este ou outro Governo nessas circunstâncias.
Ainda quanto à reestruturação da dívida, que é um raio de uma palavra que pode querer dizer muitas coisas diferentes, se é entendida como negociar melhores condições de juro e de prazo é fácil estar de acordo. Mas se for para não pagar, então o Dr. Carvalhas deve explicar aos portugueses o que fará no caso, bastante provável, de o crédito externo ser cortado à República Portuguesa, às empresas portuguesas e aos portugueses em geral. Ou, já agora, se acredita ser possível pagar em escudos a energia que importamos, os medicamentos de que necessitamos e as máquinas, as peças e os materiais que fazem funcionar as empresas. Não falo da alimentação, porque depois de alguma probabilidade de escassez acabaríamos por produzir o suficiente para não morrer de fome, a menos que o Estado tomasse conta do assunto, a exemplo da “grande revolução de Outubro”.
Segue-se que culpar a União Europeia (UE) e o euro por todos os problemas nacionais não é sério e é frequentemente um incentivo à irresponsabilidade dos partidos políticos e dos governos que tem dominado o panorama político nacional do último quarto de século. Não é sério culpar a UE pelos desmandos provocados no nosso sistema financeiro, público e privado, pela destruição da PT, pelas parcerias público/privadas, pela corrupção resultante da promiscuidade entre a política e os negócios e pela ausência de uma estratégia e de um modelo económico para o país. Suspeito, por isso, que mesmo sem a dívida e com os partidos ao serviço das suas diferentes clientelas e servindo-se do Estado à custa da economia e de conjunto dos portugueses, voltaremos ao endividamento excessivo pela quarta vez em democracia. Ou seja, o principal problema nacional é de governação e de uma falsa democracia capturada pelos interesses e culpar a UE é apenas uma escapatória para não enfrentar os problemas reais do país e evitar as reformas necessárias.
Entretanto, é verdade que o sistema financeiro global constitui um perigo enorme para as democracias e que, pessoalmente, há muito que defendo uma estratégia nacional para reduzir a dependência da UE e da dívida. O problema é que não sei com que alianças é possível realizar essa libertação de forma rápida e suspeito que o Dr. Carlos Carvalhas também não. Acredita que Portugal o poderá fazer isoladamente, ou com que alianças? Coreia do Norte? Cuba? Venezuela? Grécia? E se não, pode o Dr. Carlos Carvalhas contabilizar os custos previsíveis para o isolamento e a albanização do nosso país? Pessoalmente, não estou disponível para fazer os portugueses correr esse risco.
Finalmente, duas questões: (1) sugiro que a manter o desejo de saída da UE e do euro avise solenemente os portugueses que andam a investir em Bilhetes de Tesouro para terem cuidado; (2) finalmente, é curiosa a referência do Dr. Carlos Carvalhas ao desejo de alguns de provocarem a queda do rating da República com o objectivo de colocar “a pressão máxima sobre a coligação à esquerda e não é seguro que esta lhe sobrevirá”, como terá sido dito pelo referido Dr. Brás Teixeira. Suponho que, quanto a isso, não considerou a possibilidade de as posições políticas do PCP irem objectivamente no mesmo sentido, já que será isso mesmo o que acontecerá se o Governo levar à prática a saída do euro e a adopção do escudo.

Empresário

Sem comentários:

Enviar um comentário