quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

A verdade dos números e a conversa fiada


Em 2011 aconteceu o que todos sabemos. Atirado para o abismo pelo Partido Socialista (que assinou um acordo com a Troika, porque já não havia dinheiro para pagar aos funcionários no mês seguinte – Junho) do sr. Sócrates, houve que pedir um empréstimo exterior de 75 mil milhões. O governo de Passos e Portas, mal ou bem, tirou o país provisoriamente da BANCARROTA. Para isso, as pessoas sofreram na pele, a queda para o abismo. Fecharam empresas, reduziram-se salários e pensões, e por aí adiante. Embora ninguém tivesse ficado de fora, os pobres (20% dos mais pobres) e os mais ricos (10% dos mais ricos) foram os mais penalizados. E aqueles, cujas “leis” socráticas trucidaram e não foram corrigidas. Se os mais ricos dos mais ricos pouco ou nada sofreram, já dos mais pobres dos pobres e dos trucidados pelas "leis" socráticas se não pode dizer o mesmo.
O sr. Costa, com os parceiros bloquistas e comunistas, tomaram o poder, da forma que se sabe. Com a lengalenga da treta e a conversa fiada do costume, vão enganando os portugueses restituindo isto e aquilo, pensões, salários, feriados, dias de férias, e por aí fora. Com a ajuda do presidente da República, toda a gente canta e ri, gasta e pede crédito. O português quer acreditar que o pior já passou, que a Troika e a austeridade foi “chão que deu uvas”, porque o sr. Costa, a dona Catarina e o sr. Jerónimo o dizem. Ou seja, quer ser enganado.
Os números dizem o contrário e o gráfico que se apresenta acima assim o atesta. A divida portuguesa aumenta 42 milhões diariamente. Mais do que no tempo de Sócrates até à chegada da Troika. Quem sabe a tabuada sabe bem que o estouro está para breve, porque o diabo espreita.

Sem comentários:

Enviar um comentário