sábado, 1 de outubro de 2016

O diabo chegou mesmo em Setembro

 
Embora os comentadores do regime, pagos a preço de ouro (e alguns, de certa forma imparciais), alardem (intoxicando as mentes) sem decoro nem respeito pelo cidadão comum, as aldrabices do costume sobre o governo e os partidos comunistas que o apoiam, quem soube ler os últimos dados do Instituto Nacional de Estatísticas - INE ( https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpgid=ine_main&xpid=INE&xlang=pt) sabe que estamos a centímetros de 2011. E que, de facto, o diabo chegou mesmo em Setembro.
Sobre esses dados, ressalvando uma ou outra excepção como Daniel Bessa ou Medina Carreira, nem um ai! Para essa alcateia de comentadores, estarmos a centímetros de 2011 não aquece nem arrefece. Assim que o estrondo se ouvir e que a bancarrota seja assumida, em vez de ouro passarão a ser pagos em platina ou diamantes.
O povo comum pode andar na dúvida, ora porque recebe mais umas migalhas nas pensões (2 euros), ora porque continua iludido na reversão dos vencimentos, acrescentando uns pontinhos nas sondagens (manipuladas) ao PS.
O pior vai ser o estrondo que não tarda, quando o diabo sair da sua poltrona e activar o tridente.
Entretanto Costa vai sorrindo com aquele sorriso de canivete; Jerónimo anuncia isto e aquilo com aquela presunção e água benta, os da CGTP seguem o alarde e as manas e as donas do bloco, com aquelas vozinhas de cotovia, abrem a boca para apenas debitarem palavrões sobre as “pensões”. As pensões isto e aquilo, como se o problema do país se resolvesse apenas com isso.
Do congelamento das carreiras (desde 2009, com o governo do PS de José Sócrates!) nem um pio. Nem Costa que as recongelou assim que assinou a papelada, nem Jerónimo que acena com a cabeça a Costa, nem as senhoras do Bloco engasgadas com o tema das pensões. Porque a deles (as) não está congelada. Sabem que quando atingirem o tempo também receberão as suas pensões (por isso enchem a boca com elas), mas também sabem que as suas carreiras nunca serão congeladas.

Sem comentários:

Enviar um comentário