segunda-feira, 30 de maio de 2016

Quem paga é o amarelo……

 
Por: Costa Pereira - Portugal, minha terra

Para mim basta o Conselho Permanente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) discordar da atitude deste governo - não eleito, diga-se – quanto ao não querer facilitar a vontade dos pais poderem escolher livremente a escola e o projecto educativo que desejam para os seus filhos, como destabilizar a vida das famílias vitimas da infantilidade de alguém que arvoraram em “ministro” e lhe deu na gana para asneirar. É uma pena que Portugal tenha caído nas mãos de gente desta, sem critério, nem capacidade para tornar os portugueses cidadãos felizes.
Mais de 40 mil cidadãos vieram hoje até junto da Assembleia da Republica contestar a lamentável decisão ministerial, onde não faltou o apoio de muitos autarcas e até deputados merecedores do titulo.
Não esteve presente, mas a líder do CDS, Assunção Cristas teve a dignidade de se manifestar favorável à razão que assiste ao ensino particular, ao adiantar: "Não é evidente que uma escola que presta um bom serviço, que tem bons resultados, que é a preferida pelos pais e que não custa mais para o Estado, deva ser sacrificada só porque ao lado há uma escola pública estatal”. E acrescentou : "faz sentido olhar para estes critérios e decidir se, nalguns casos, não deve ser a escola privada ou do sector cooperativo a ser sacrificada, mas deve ser a escola pública que, claramente, não [deve] abrir mais uma turma". É por isso que tem o meu louvor, os votos.... ganham-se assim.
 Do OBSERVADOR  recolhi:" Para a direita! Para a direita!” O pedido do speaker tinha mais de logístico do que de ideológico. A multidão de pais, alunos e professores que subia a Avenida D. Carlos I em direção à Assembleia da República era grande e convinha arrumar o melhor possível aquela gente. Por isso, as pessoas que se dirigissem para a direita, Rua de São Bento acima. Mas é certo que também na ideologia havia uma tendência clara entre os manifestantes: o que mais se ouviu em frente ao Parlamento foram críticas à maioria de esquerda e ao Governo, acusados de quererem restringir a liberdade dos pais".
E quem tem dúvidas  a esse respeito? O rancor que estrema esquerda tem a quem não alinha com a sua ideologia é destruir, sem critério, o que não for da sua cor. E então aqui quem paga é o amarelo…

Sem comentários:

Enviar um comentário