sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

O mundo novo da demagogia de Costa e das suas esquerdas


Aquele grupo parlamentar engraçado constituído pelos senhores Galamba, Oliveira, as donas Catarina, Apolónia, Marisa e as manas Mortágua, chefiado pelo cavalheiro Jerónimo e pelo dr. António Costa, o chefe de governo, há-de julgar-se no “Paraíso”.
Teatralidade e retórica não lhe falta. Alardearam sobre o aumento das pensões. A “direita” era insensível; era necessário repor aquilo que andava a ser roubado aos pensionistas, diziam antes de apoiarem esta espécie de “governo”. E Costa, no seu pedestal de demagogo, reforçava essa teatralidade.
O que se sabe agora é que as pensões em 2016 terão o aumento máximo do preço de dois cafés e um pastel de nata – dois euros e meio! Para quê tanto alarde?
A proposta que o PS apresentou para a extinção gradual da contribuição extraordinária de solidariedade (CES) aplicada sobre as pensões vai ter o apoio do PSD e do CDS porque o acordo à esquerda falhou!
Proposta que aliás é de autoria da “direita” e recusada pelas esquerdas quando aquela a apresentou. Uma questão de hipocrisia por parte do PS. E por parte das outras esquerdas porque nunca existiu uma verdadeira coligação governamental (obrigatória nos países europeus). O que sempre existiu foi uma verdadeira chafurdice fundamentada na assinatura daquela papelada.
Mas no meio desta chafurdice, a verdadeira pérola pertence à dona Catarina. Diz-nos esta senhora no debate quinzenal, 16.12.2015: “O que conseguimos é uma redução da sobretaxa para 99,8 % dos contribuintes, sendo que 91% dos contribuintes vão pagar zero ou 1% da sobretaxa. E isto sem aumentar a sobretaxa para ninguém e com o compromisso que em 2017 não existirá sobretaxa para nenhum contribuinte".
A retórica da dona Catarina engana os incautos, como Jerónimo anda a ser enganado por Costa.
De facto, a sobretaxa do IRS de zero ou de 1% vai ser aplicada a 91% dos contribuintes. Mas importa dizer à dona Catarina que “os cerca de 3,4 milhões de famílias com um rendimento colectável até aos 7070 euros (68%) já não pagavam sobretaxa por causa das regras de isenção da tributação do imposto, embora o Estado tenha retido ao longo do ano de 2014 quase 86 milhões de euros a quem estava neste escalão de rendimento, tendo este montante apenas sido devolvido na liquidação final do imposto” (jornal Público, 18/12/XV).
Isto quer dizer que acerca desta medida, as esquerdas têm muito pouco que alardear, porque no seu consulado (vamos ver até quando dura), apenas conseguem isentar 23% de portugueses. Os 68% foram isentados pela “direita” (como gostam de dizer).
É este o mundo novo (da demagogia) defendido por estas esquerdas que agora nos “governam”, expressão do gosto de Costa que a proferiu à exaustão, como o fizeram leninistas e estalinistas depois de 1917, mas rachada a meio com acutilância por George Orwell em 1984Armando Palavras

Sem comentários:

Enviar um comentário