sábado, 30 de maio de 2015

Triângulo Luso-Galaico exaltado em Boticas



BARROSO da FONTE
A bonita vila de Boticas acolheu dia 23 de Maio, uma boa meia centena de agentes da Cultura, da chamada região do Alto Tâmega. Um dia solarengo, com os montes a evidenciar as belezas arbóreas,  na sua plenitude campesina, com gorjeios melódicos da passarada que se misturam com os ruídos dos tratores agrícolas numa simbiose de saudade, de enlevo e de perfume.
 A Direção do Fórum Galaico-Transmontano, fundado em 5 de Dezembro de 2008 e com sede em Chaves, entendeu marcar o V encontro para o auditório do Centro Cultural Nadir Afonso. Nesse magnífico pólo dedicado ao imortal Barrosão, Nadir Afonso, se fez a receção e se pôde visionar a coleção de todas as edições do Jornal «Ecos de Boticas». No confortável auditório se ouviram oportunas palavras de boas-vindas do Presidente do Fórum-Galaico, Dr. Fernando Rua Castro e do Presidente da Câmara de Boticas Dr. Fernando Queiroga. Seguiram-se duas importantíssimas lições de sapiência. A primeira do sócio do Fórum Federico Justo Méndez que fez um resumo histórico sobre a «Vida e Origens de Viriato», guerreiro contra o exército romano que viveu 50 anos antes de Cristo e que nunca se soube, ao certo, se foi uma figura real ou mítica. As Gentes de Viseu reclamam a sua ligação à «Cava de Viseu». Este embaixador luso- galaico, tão conhecido como o chouriço de Barroso, veio dizer a Boticas que – afinal - Viriato terá nascido no castro de Groum «lugar situado a sul da Serra do Larouco Júpiter Saturno,  num lugar próximo de um arroyo que desagua em los nascientes del río Búbal». Viriato viria a ser assassinado, perto do local onde teria passado a sua infância. O texto integral dessa comunicação foi publicado na revista Fórum Galaico—Transmontano, nº 4, nesse dia distribuída pelos associados e posta à venda.


A confirmar-se esta versão, dois mil e tal anos depois de nascido, Viriato poderá corresponder a um autêntico guerreiro dos fins do império Romano, num lugar que na altura era dominado por esse Império, mas que hoje corresponde à fronteira entre Portugal e Galiza, ou seja: no sopé da serra do Larouco, entre Santo André, Gralhas, Solveira, Vilar de Perdizes e Gironda. Há dados seguros de que a Via XVII passava por Caladunum ou Ciade, vinda de Chaves, onde se fazia a  bifurcação para Braga, Lugo e Astorga.
 Outro tema que ocupa treze páginas desta última edição da Revista Fórum Galaico Transmontano tem a ver com duas dioceses que existiam, há 1700 anos, na região do Alto Tâmega e de que recentemente se restaurou uma: a Aquae Flaviae, para justificar a designação de um seu bispo titular: Dom Pio Alves de Sousa que ingressou na Diocese do Porto, como bispo auxiliar.
 Cerca de meio século antes de se fundar a diocese Flaviense que teve como único titular o famoso Bispo Idácio, existira a diocese de Beteca que foi criada antes da fundação do Reino da Galiza pelo rei Hermerico. Ao tempo recebeu o nome latino de Diocesis Betecensis e teve como bispo titular Sabino. Foi por volta do ano de 314. Menos de um século depois, apareceu o Bispo Idácio à frente do Diocese Flaviense (em 462). Em A Voz de Trás-os-Montes de 5 de Março de 2015, o Bispo Amândio Tomás, da diocese de Vila Real, alude a um convívio de sacerdotes das dioceses de Ourense e de Vila Real que decorreu no Santuário de Nossa Senhora dos Milagres. Nesse encontro de sacerdotes luso-galaicos afirmou: «este encontro de Padres das duas Nações e Dioceses vizinhas é inédito. Ajuda-nos a repensar a pastoral e estratégias, na senda dos evangelizadores, a ter consciência das necessidades das duas Dioceses. Evocamos com gratidão, a figura de Inácio de Límia, nascido cerca do ano 390, em Ginzo de Límia e falecido em Chaves em 470.
Nas 13 páginas deste nº 4 da Revista Fórum menciono, como autor, o livro «Patrologia Galaico-Lusitânia» da autoria de Dom Pio Alves que nas páginas 65-69 relembra o papel decisivo do Bispo Idácio que esteve na base do desenvolvimento da cidade de Chaves que há 1700 anos foi, com a congénere da Beteca (Boticas), o epicentro de um grande impulso evangelizante. Bem pode estender-se a outros, de nomeada como: Academia de Letras de Trás-os-Montes, Grupo Cultural Aquae Flaviae, Grémio Literário de Vila Real.
 Aludimos ainda à comunicação do Prof. Catedrático Telmo Verdelho sobre o papel da Língua Portuguesa. Uma aula magistral que agradou a uma assistência numerosa e atenta, proferida  a dez dias de distância da data de 13 de Maio que ficará na História necrológica como o golpe de misericórdia, pela entrada em vigor do  (des) acordo ortográfico para uso, no reino da Lusofonia.
 O fundador e Presidente do Fórum Galaico-Transmontano e a sua Equipa deram um passo decisivo no aprofundamentos dos objetivos deste organismo cultural que tem vindo a extinguir as portas que durante vários séculos fecharam as relações linguísticas, culturais, sociais e políticas entre povos que desde a Batalha de S. Mamede, em Guimarães, em 1128, até aos nossos dias, tantos estragos causaram a cidadãos de ambos os lados que pertenceram ao mesmo Reino (da Galiza), se entendem pela mesma língua, os mesmos usos e costumes e sempre puxaram pelos mesmos ideais de liberdade, da fraternidade e de progresso ibérico.
                                                                                            Barroso da Fonte





Sem comentários:

Enviar um comentário