sábado, 2 de agosto de 2014

Os Curdos e os Arménios, duas minorias nacionais



Tanto os Curdos como os Arménios, estão repartidos por vários Estados do Médio-Oriente, nos quais formam minorias oprimidas há séculos. Há várias décadas que, através de movimentos políticos, lutam pelo reconhecimento dos seus direitos.
Os Arménios são, na sua grande maioria, cristãos e falam uma língua indo-europeia. Foram repartidos entre o império Otomano (actual Turquia), a Russia e a Pérsia. Em 1915 foram oprimidos e massacrados pelos Turcos, naquele que foi o primeiro genocídio do século XX (muito antes do Holocausto nazi). Após este crime, nunca reconhecido pela Turquia, muitos Arménios refugiaram-se no estrangeiro, sobretudo a partir de 1923, onde formaram comunidades activas. Mas este crime contra os Arménios tem origens igualmente genocidárias, que devem ser procuradas nos anos de 1840 e 1860. É este o momento em que as províncias orientais que concentram 70% dos dois milhões de Arménios otomanos, entram em grave crise  de anarquia administrativa. E a partir daqui surgem os massacres em massa adoptados pelo governo de Abdul Hamid.
Vassili GrossmanEste conflito regional é complexo, ao ponto do Alto Carabaque, povoado por Arménios na sua maioria, ter sido reanexado ao Azerbaijão muçulmano, em 1921, por Estaline
O Tratado de Sèvres (1920), previu a criação do Estado da Arménia, reconhecendo assim, os direitos nacionais dos Arménios. Nunca foi concretizado devido à oposição da nova Turquia. Todavia, os Arménios Russos obtiveram uma certa autonomia (1923), criando a República Federativa da Arménia. Que se tornou independente da Russia a partir da fragmentação da URSS, a partir de 1991.

O relato de Vassili Gossman (Bem Hajam! - Apontamentos de Viagem à Arménia), escrito em 1962, recentemente editado em Portugal pela Dom Quixote (2014), mostra-nos um Grossman bem diferente de outros escritos. Nele, o escritor russo relata-nos as suas impressões sobre a Arménia, onde esteve dois meses.

Os Curdos (30 a 35 milhões segundo dados de 2010), instalaram-se nessa região de altas montanhas e grandes planaltos, no século IX A.C., criando uma forte identidade. Igualmente indo-europeus, mas muçulmanos, estão repartidos por vários Estados: Turquia , Irão, Iraque e Síria. Também foram vitimas dos Turcos que teriam massacrado cerca de 700.000. Os Curdos não pretendem a independência, mas lutam por uma autonomia que respeite a sua especificidade.
Os Curdos do Iraque criaram, neste país, uma região autónoma entre 1970 e 1975, devido ao apoio do Irão que os auxiliou na sua luta armada. Contudo, a reconciliação entre o Iraque e o Irão no ano de 1975 permitiu que o Iraque restabelecesse a sua autoridade. Porém, a revolução islâmica iraniana e a guerra Irão-Iraque relançaram o movimento de contestação curdo.
Armando Palavras


Sem comentários:

Enviar um comentário