segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Benguela a Caimbambo (ANGOLA)

  Benguela a Caimbambo
POR: Costa Pereira
Se há quem goste de trabalhar, são os responsáveis pelo êxito do programa da A.A.A. Não tem hora, nem horários! Sabendo disso, nunca supus, que no sábado, dia 28 de Março, ia visitar a capital provincial de Benguela. Amiga de fazer surpresas, só na sexta-feira após o nosso regresso de Calomiapa, e quando ao jantar lhe escapou perguntar-me se tinha trazido calções de praia, na mala, percebi que no sábado a nossa veterinária ia trocar as galinhas por areias...,ou seja o campo pelo mar.
Mesmo assim foi em trabalho, uma vez que acompanhada pela administradora da Acção Agrária Alemã, em Angola, a alemã D. Edelgard, e pelo angolano Sr. José Pedro Haleka, que para a humanitária organização internacional na província de Benguela prestou ou presta serviço, teve de passar pelo Fórum Benguelense de Desenvolvimento e ali ocupar parte da manhã.
1
Os cerca de 120 km que separam Caimbambo de Benguela fazem-se com relativa rapidez, ao contrário doutros percursos do interior. Aqui a estrada está arranjada e mostra bem como continua a ser convidativo viver no litoral e próximo da forças influentes da administração e da politica. Saímos às 08h45 e às 10h10 já estávamos muito perto da cidade que os portugueses, nos princípios do séc. XVII, baptizaram de São Filipe de Benguela. Actualmente capital de uma província com 9 municípios, aumentou dois em relação aos últimos anos do domínio colonial. Eram: Benguela, Lobito, Ganda, Balombo, Cubal, Bacoio e Baia Farta, agora são: Benguela, Baia Farta, Balombo, Bocoio, Caimbambo, Chongoroi, Cubal, Ganda e Lobito
2
Departamento estatal relacionado com o desenvolvimento rural da província de Benguela.
3
Pai e filha, ou bucha e estica.
4
Ainda no recinto do Fórum
5
Um dos jardins da cidade
6
Edifício publico, que quer dizer de quem governa....
7
Entre o Fórum e mais este jardim da cidade, enquanto os técnicos num e outro gabinete resolviam os seus problemas, os penduras iam ganhando vontade para o almoço, que foi crescendo com achegada ao Porta-Aviões e demora do serviço. Demorou, mas veio. Em Angola é assim, quem tiver pressa que vá andando. Entramos cerca das 11h00 e só por volta das 14h30 deixamos a mesa deste excelente restaurante da praia Morena, na baixa da cidade e rente à praia.
8
Restaurante Porta- Aviões - na Praia Morena
9
Quem diria, ver aqui esta laboriosa administradora alemã capaz de arranjar tempo para se sentar à mesa de um restaurante, mesmo em fim de semana! Não é fácil
10
A praia ali junto das mesas do restaurante
11
No fim do almoço enquanto as senhoras se foram banhar e visitar a praia da Baia Azul, o Sr. Haleka encarregou-se de me levar a conhecer alguns dos pontos principais da cidade e arredores. No Cavaco, onde desde 1962 a Casa do Gaiato opera com a sua humanitária acção, tive pena de não poder entrar no santuário mariano de NS da Graça, irmã daquela que na minha terra natal Vilar de Ferreiros-Mondim de Basto tem altar no cimo do Monte Farinha. Mas pude recordar a figura do bondoso Padre Américo, fundador da instituição, falecido a 16 de Julho de 1956, no Hospital de Santo António, Porto, e cujo funeral, a que assisti na saída da igreja da Trindade para Paços de Sousa, foi o maior que vi na minha vida, nem mais tarde o de Salazar, quando por morar em Belém, presenciei também, me pareceu tão participado.
12
Hospital de Benguela - dentro da cidade
13
Casa do Gaiato - no Cavaco, arrabaldes da cidade
14
Fazenda ou quinta da instituição onde os meninos da obra da rua, aprendem a ser homens
15
No caminho do Cavaco para o aeroporto 17 de Setembro esta vala é sinal que Benguela está apostada em recuperar o seu lugar cimeiro nos campos da pesca, pecuária e agricultura. No turismo, beleza natural não lhe falta, e até a fauna com zebras, leões, elefantes, olongos, golungos, búfalos, onças, ongivas e a cabra de leque escolheram esta província para seu deleite. Fiquei encantado com a cidade que percorri e visitei de jipe e que por isso mal pisei. Mas como toda a terra angolana é sedutora e seu povo maravilhoso.
16
Torre de comando do aeroporto 17 de Setembro.
17
Hipermercado em frente ao aeroporto e chegada a hora de regressar ao centro da cidade, pois aproximava-se a hora das mulheres deixarem o banho, de tomarmos um refresco e preparar a partida rumo a Caimbambo.
18
Assim sucedeu, e quando o relógio marcava 18h06 já fora da cidade uma seta indicativa apontava a direcção que pela estrada de Cubal liga Benguela a Caimbambo.

Continua





Sem comentários:

Enviar um comentário