segunda-feira, 21 de julho de 2014

Medicação anticoagulante oral já é comparticipada em Portugal






Fibrilhação Auricular: Acesso à saúde mais fácil para portugueses
Medicação anticoagulante oral já é comparticipada em Portugal
O Estado Português aprovou a comparticipação financeira de uma classe de medicamentos, os anticoagulantes orais, que já são comercializados no mercado do nosso país com diversos nomes comerciais, mas que, até à data, eram suportados a 100% pelos doentes.
Este é um salto qualitativo para os portugueses que sofrem, entre outras doenças, de fibrilhação auricular, graças à possibilidade de acesso a esta evolução farmacológica.
Com efeito, “A terapêutica anticoagulante oral está em mudança. Os antagonistas da vitamina k são ainda o padrão em muitos contextos clínicos. Mas, face a diversas limitações, resultantes do lento início de ação farmacológica dos antigos medicamentos, da janela terapêutica estreita, do metabolismo variável, das múltiplas interações com outros fármacos bem como com alimentos, - além do risco potencial de complicações hemorrágicas - a utilização dos novos anticoagulantes orais, vem, de fato revolucionar o acesso à saúde dos Portugueses” esclarece Carlos Morais, cardiologista e presidente da Associação Bate, Bate Coração. 
A fibrilhação auricular é a perturbação do ritmo cardíaco crónica mais frequente, afetando aproximadamente 6 milhões de pessoas na Europa, 8 milhões na China e 2,6 milhões nos Estados Unidos da América. Esta doença é responsável por aproximadamente 15% dos 15 milhões de AVCs que se estima ocorrerem anualmente a nível mundial.
 De Jornal do Norte para Tempo Caminhado

Sem comentários:

Enviar um comentário