domingo, 10 de junho de 2018

Uma terra portuguesa nos Estados Unidos - 10 de Junho


Como lá cheguei? A culpa é de Bourdain e do seu livro. Fiquei com vontade de começar a ler o tal Kitchen Confidential — e foi o que fiz. Não me arrependi. O livro é apetitoso de várias maneiras: apetece comer bem depois de ler aquelas páginas — apetece até, vejam lá, cozinhar. Bourdain escrevia muito bem — e apresenta-nos um mundo diferente, negro, aventuroso, onde a cozinha é habitada por piratas e os dias nunca são iguais. É um mundo, desculpem-me o cliché demasiado a propósito, só para estômagos fortes. Vale a pena.
E a aldeia portuguesa na costa dos E.U.A.? — pergunta o leitor já desesperado com uma crónica que se aproxima do fim e ainda não cumpriu a promessa do título...
Explico então: Bourdain conta no início do livro como a sua primeira experiência numa cozinha foi em Provincetown, Cape Cod, em Massachusetts. O autor diz então que Provincetown «era (e é), basicamente, uma pequena aldeia piscatória portuguesa» — e, durante a primeira parte do livro, refere várias vezes a cozinha portuguesa como fazendo parte das tradições da zona e ainda descreve a maneira de falar da zona como tendo muito de português.
Continuei a ler. Não acabei ainda (estou à espera de terminar a crónica para continuar), mas é um prazer ler este homem a ferver de vida. Viajo no espaço e no tempo e fico a conhecer os truques, segredos e pecados duma vida tão diferente da minha. Sim, vivemos em bolhas, longe dos outros, mas os livros ajudam a rebentar, nem que seja por uns minutos, essas bolhas. Elas voltam a formar-se, eu sei, mas é uma delícia rebentá-las durante uns momentos.
Ah, e os livros são uma delícia também por isto: levam-nos a descobertas inesperadas, deixam-nos a sonhar com festas na praia em Cape Cod — e dão-nos uma vontade perigosa de viajar, nem que seja para conhecer a terra portuguesa que fica ali para os lados de Boston.
Bem, vou continuar a ler.
Marco Neves | Tradutor e professor. Autor do livro A Incrível História Secreta da Língua Portuguesa. Escreve no blogue Certas Palavras.

Sem comentários:

Enviar um comentário