segunda-feira, 24 de novembro de 2014

O Subsídio


A história das subvenções vitalícias para a classe política é conhecida. PS e PSD introduziram-nas na agenda em 1985. Em 1995 houve uma ligeira alteração, em 2005 rodeou-se o “esquema” e, finalmente em 2014, travou-se o privilégio.
Sorrateiramente, Couto dos Santos (social democrata !) e José Lello (Socialista !) procuraram destravar o dito privilégio. Em votação parlamentar a esperteza destas duas iluminarias esfumou-se. Honra seja feita aos bloquistas (é para isto que serve uma verdadeira oposição). Os socialistas não foram de modas. Uma sua deputada acha que o travão a este privilégio é inconstitucional (!) e António Costa (candidato a primeiro-ministro !) acha que o assunto é delicado. Pior ainda, concorda com o privilégio!
Os comentadores e escribas têm referido a imoralidade do privilégio. E para o caso argumentam com os pensionistas e com a grave situação económica do País (provocada pela bancarrota socialista). Alguns chamam à colação (e bem) os princípios republicanos (defendidos tão a peito pelos socialistas, em determinadas alturas). Nós, alinhando com eles, chamamos ainda os princípios liberais (defendidos pelo governo) que em tudo desalinham com o dito (privilégio).
Mas a questão é esta:
O que é uma subvenção? É um subsídio. Do latim, subventione. De subvenire, ou seja, “vir em auxilio”. Subsídio é, portanto, um auxilio pecuniário que se dá a uma empresa ou particular. Uma quantia que o Estado entrega, sem contrapartidas directas (principalmente a empresas e colectividades).
Será que algum destes cavalheiros (do dito privilégio) precisam do subsidio? O que dirão então os milhões de desempregados, as milhares de empresas que foram à falência, os milhares de funcionários a quem foram extorquidas enormes somas dos vencimentos (a bem da pátria) e a outros a quem se confiscaram somas maiores (a bem do país e do bem estar de outros – no tempo de Sócrates, que ainda se mantêm !)?
A vida, por vezes, sem razão aparente, torna pobre o que foi rico e vice versa. Se a algum destes cavalheiros a vida o tornou pobre, que o subsidio lhe seja atribuído, caso contrário … contem histórias da carochinha a quem as quer ouvir!


Sem comentários:

Enviar um comentário