segunda-feira, 9 de julho de 2018

Os Políticos e as Regiões


Por: Costa Pereira Portugal, minha terra

Sempre muito atenta ao todo que um qualquer texto de transmontano surja nas páginas suas preferidas, a mondinense Maria da Graça Matos há dias telefonou-se muito curiosa a perguntar quem era um tal Relvas que Barroso da Fonte citava em artigo seu na página Tempo Caminhado. Com franqueza também eu não sabia e pouco sei desse apelido, senão daquele que foi proprietário da Casa dos Patudos, em Alpiarça. E de seu nome José Azevedo de Mascarenhas Relvas, este republicano, nasceu na Golegã, a 05 de Março de 1858; e faleceu em Alpiarça, a 31 de Outubro de 1929. Só pode ser este Relvas, pensei, o citado, já que foi um dos ribatejanos que na 1ª Republica ocupou o cargo se senador por Viseu, antes de depois ser nomeado embaixador em Madrid. Foi dos que se bateu em comícios de grande dimensão contra a proteção dada aos vinhos licorosos do Douro e não aos dos agricultores ribatejanos de que ele também fazia parte, por isso se tornou republicano.
Da Província da Beira Alta que foi criada em 1832, passaram a fazer parte as comarcas de Viseu, Lamego e Trancoso. Esta veio substituir a antiga província da Beira, com a capital em Viseu. Em 1835 o país passou a ser dividido por distritos, e a Província da Beira Alta foi então restaurada, como unidade estatística e de referência regional, e os seus limites correspondentes ao distrito de Viseu. Em 1936, já com Salazar, agora além do distrito de Viseu, também o da Guarda foi integrado na mesma. Esta nova divisão em províncias baseou-se num estudo geográfico das regiões que dividia, Portugal Continental, em 13 “regiões naturais”, entre as quais a Beira Alta e a Beira Transmontana (que englobava todo o distrito da Guarda, exceto o concelho de Vila Nova de Foz Côa). Dos geógrafos por norma não são consultados, e por isso Orlando Ribeiro, uma sumidade em Geografia, já na reforma de 1936 considerou tratar-se de um erro crasso, mas os políticos não atendem, eles é que são os sabichões...
Mas também não é deste Relvas que se trata, mas é sim do Miguel Relvas, que no governo de Durão Barroso tentou reformar as divisões administrativas com a criação de um novo mapa regional onde constam as três principais categorias: Grandes Áreas Metropolitanas, Comunidades Urbanas e Comunidades Intermunicipais. Foi esta que ficou conhecida por “Reforma de Relvas” a que Barroso da Fonte fez referência e nem eu nem a minha conterrânea nos recordávamos. Mas agora já ficamos a saber, e mais: que ontem como hoje, cada um cuida de si e Deus de todos. Do povo que no campo, na fábrica, no escritório, na escola ou nos serviços labora, diz quem governa: aguentem porque os euros não chegam para satisfazer toda a gente; e primeiro estamos nós.


Sem comentários:

Enviar um comentário