segunda-feira, 1 de setembro de 2014

ISIS – Islamic State in Iraq and Sirya

O “choque de civilizações” não é de hoje, é de sempre. Desde a revolução neolítica, momento em que surgem tal como as conhecemos hoje, num processo longo, em períodos diferentes no planeta.
“Com mil ou dois mil anos de diferença, a revolução neolitica desencadeou-se simultaneamente na bacia do Egeu, no Egipto, no Próximo-oriente, no vale do Indo e na China” ( Claude Lévi-Strauss ). Ou seja, não dependeu do génio de uma raça ou de uma cultura, mas sim de “condições tão gerais que se situam fora da consciência dos homens” (Idem).
À Civilização assim formada, o homem foi acrescentando particularidades que se prenderam com a geografia, a religião,  modos de vida e por aí adiante.
Ora o conflito que hoje se vive no Iraque e na Síria, provocado pelo ISIS, esse auto denominado obscuro e tenebroso “Califado”, é muito mais do que um “choque de civilizações”.
O ISIS não depende de  “condições tão gerais que se situam fora da consciência dos homens”. Pelo contrário, prende-se com condições  especificas que se situam  dentro (no interior) da consciência dos homens. Como nos é revelado por todos os sistemas totalitários, por todos os movimentos terroristas e por todos os elementos de foro psicopata. A condição humana desvalorizada porque se não “encaixa” nos seus sistemas ideológicos e psíquicos, produz a destruição da própria natureza humana, originando, atingidos os objectivos primários, a própria auto destruição, provocada por elementos ora externos, ora internos.
Clique para aumentar
A natureza humana, nos choques civilizacionais (Alexandre com os Persas, os Mongóis com os Europeus, entre outros) foi sempre respeitada, na maioria dos casos.. É certo que houve mortandade,  massacres escabrosos, ou casos tenebrosos. Mas depois da conquista, normalmente o povo conquistado era respeitado e defendido pelo conquistador. Repare-se no caso de Alexandre por exemplo. Conquistou a Pérsia, mas respeitou os seus costumes e as minorias. Ele próprio os adoptou, casando-se com princesas persas (Roxana) e obrigou os seus generais a adoptá-los. Roma seguiu os mesmos princípios. Conquistava, mas respeitava os costumes e a religião dos conquistados.
Com o ISIS nada disto acontece. Pelo contrário. O ISIS tem contornos estalinistas e nazistas; contornos de sistemas como o de Pol Pot, ou os movimentos de limpeza étnica como sucedeu no Congo, Ruanda e Darfur. E, de certa forma, com o movimento de Mao.
Os seus contornos são tenebrosos e não serão tema para este espaço (por enquanto).

Por essa razão, contrariando opiniões respeitáveis, observamos com legitimidade a formação de  uma coligação internacional de nações que “decapite” esse “califado” tenebroso, comandado por esse pseudo “califa” Abu Bakr al-Baghdadi (natural de Samarra, no Iraque). Estão em causa valores humanos universais, desenvolvidos durante milénios, pelos quais as sociedades livres sempre se regeram (embora com casos de barbárie pelo meio).
A estratégia delineada pelo Presidente Obama, foi, de facto, a mais inteligente: reunir uma coligação de nações e de comunidades locais. À Inglaterra, à França e a outros países europeus, juntaram-se agora a Austrália e a Arábia Saudita.
Outras questões poderão estar na mesa das decisões, como por exemplo a reavaliação das actuais fronteiras dos Estados formados após a Segunda Guerra ( problemática também levantada pelo general José Loureiro dos Santos (Publico, 29 de Agosto).
É certo que a repartição geográfica depois da Segunda Guerra Mundial, não respeitou os territórios tribais e as comunidades religiosas. Em muitos casos foram divididas ao meio para formar os Estados na sua forma actual. Aconteceu no Próximo Oriente, na Ásia e, sobretudo, na África.
Mas esta questão só poderá ser discutida depois da “decapitação” do ISIS.
Armando Palavras


Sem comentários:

Enviar um comentário