terça-feira, 3 de julho de 2018

O betão e a greve dos professores.


Foi situação corrente por parte dos partidos de esquerda, incluindo o Partido Socialista na voz do dr. Costa que o Doutor Cavaco, enquanto Primeiro-ministro, era o homem do betão. Porque foi o homem que mais auto estradas e vias rápidas mandou construir. Na verdade foi. E ainda bem que o foi, porque à época, o país precisava desse betão. É claro que o Doutor Cavaco foi criticado por gente de estufa, gente que nunca havia conhecido o país real, que levavam uma vida urbana sem o contacto da periferia – do Portugal Profundo. O único contacto dessa gente era o do controlo político, sem nunca terem necessidade de saírem das bordas de Lisboa, do Porto ou de Coimbra. Gente que nunca tinha tido o problema de estacionar o carro. Nessa época, quando o Doutor Cavaco iniciou as obras desse betão, demorava-se um dia de Bragança a Lisboa! Hoje, o mesmo trajecto, porque existe esse betão, faz-se em 4/5 horas!
Mas o que é que isto tem a ver com a greve dos professores? Tem muito. Passados tantos anos é agora o dr. Costa a defender o betão! É que, segundo as notícias de hoje, “António Costa diz que para fazer obras no IP3 não pode pagar o tempo de serviço aos professores” (jornal i, capa).
A culpa, dr. Costa, não é dos professores, é do Estado corrupto que temos, que fez os contratos que fez (o seu partido) com as PPP!

Sem comentários:

Enviar um comentário