sábado, 16 de junho de 2018

As propostas foram derrotadas


Por: Costa Pereira Portugal, minha terra

Vizinhos, mas que diferença de pensar e agir! Enquanto na vizinha Espanha a corrupção faz cair um governo, em Portugal é a corrupção que alimenta e mantem em função um governo. Vamos a ver por quanto tempo num lado e outro os dois povos estão dispostos a manter este estado de coisas, começando por cortar as asas aos abutres que em nome da liberdade na árvore do poder têm assento privilegiado. Os golpes da política são estudados e bem urdidos, e infelizmente a indiferença do povo perante esta realidade ajuda a que cresçam e sobrevivam estas aves de rapina. Nem os próprios partidos estão interessados em ver o eleitorado esclarecido pois sabe que se toma uma atitude mais coerente com a realidade económica, política e social logo vem outro aproveitar para fazer promessas vãs ou enganadoras que o povo gosta de ouvir e dá votos.
É tempo de dizer não aqueles que mentem e faltam à promessa que mereceu o nosso voto. Que votem aqueles que por serem sócios comem da mesma gamela, mas não os que sendo apenas simpatizantes levam pela tabela e sem conta nem medida. Dum ex-bastonário da Ordem dos Advogados vi há dias no facebook um vídeo onde aconselhava que mais valia não ir às urnas votar, e explicava a razão porque os partidos têm tanto interesse que o eleitor não fique em casa em dias de eleições. Claro que se está em jogo casos de vida ou morte, como a Eutanásia, ninguém deve ficar em casa. Mas em Portugal, nem foi preciso, pois um governo que se apoderou do poder e guisou uma “geringonça” para governar, em vez de tratar dos problemas económicos e sociais com que o país se confronta, leva para o Parlamento questiúnculas que são do foro íntimo de cada um e não de meia duas centenas de indivíduos e nem todos concordantes. Por isso as propostas foram derrotadas.

Sem comentários:

Enviar um comentário