quarta-feira, 4 de maio de 2016

Cretinice?!


Toda a gente sabe como é que Costa e o seu quarteto tomaram conta da governaça. Através dos procedimentos legais de que tanto gostam as esquerdas (em especial as portuguesas) para humilharem o mérito.
Nem Costa nem o seu quarteto (com as sirigaitas e as donas) ganharam eleições. Ponto final.
Contudo, neste momento, dirigem os destinos do país. E como dirigem é a eles que se deve pedir contas. A cretinice da comunicação social e a maioria de comentadores medíocres, fazem exactamente o contrário. Pedem contas a um governo que tirou o país da bancarrota, e a um ex-primeiro ministro que, nas funções que exerceu, teve uma conduta irrepreensível.
Ou é o pin da lapela, ou é a forma como se apresenta, ou é a maneira de fazer oposição, ou é o raio que os parta.
E não dizemos isto por acaso. Num país decente quem estaria nas bocas do mundo seria Costa e o seu quarteto. Num país ao nível do Burkina Fasto (como o nosso) é o antigo governo (que tirou o país da bancarrota) e o seu antigo primeiro-ministro que tem tido uma conduta inigualável como o demonstra a sua última entrevista ao jornal Sol.
Hoje, o jornal público, que há uns tempos a esta parte (em certos aspectos) se tem mostrado um jornal "cretino", apresenta na página nove, com o titulo “Prova dos factos”, assinado por Paulo Pena, uma extensa tentativa de refutação a uma frase proferida por Passos Coelho: “Entre Novembro e o principio de Março, cerca de 20 mil empregos foram destruídos”.
Em primeiro lugar, Pena interroga-se, a seguir insere o contexto e apresenta os factos. Nesta análise de trampa, não analisa nada e tem necessidade de apresentar o resumo.
Indirectamente, na meia página de factos, procura dizer que Passos mentiu. Não seria a primeira vez que seria insultado, pois todos nos lembramos dos insultos pessoais a que foi sujeito pelas sirigaitas e quejuandos, enquanto Primeiro-ministro, e agora como líder da oposição.
Mas vejamos como Pena resume os factos que analisou a partir da frase de Passos:

“Em resumo
Hoje há menos 19.500 pessoas empregadas em Portugal do que havia no último mês em que Passos Coelho foi primeiro-ministro. Mas é muito difícil apontar a causa desta diferença, e muito menos encontrar uma explicação politica para ela. O número de postos de trabalho em Portugal subiu, e desceu, nos últimos seis meses, indiferente aos partidos que estavam no Governo”.

Se isto não é cretinice, o que é?    Armando Palavras


Sem comentários:

Enviar um comentário