quinta-feira, 17 de março de 2016

FEIRA DO FOLAR DE VALPAÇOS NA XVIII EDIÇÃO

 
JORGE LAGE
Aí vem a maior «Feira do Folar do país», traduzindo a expressão para os não transmontanos ou que não conhecem este fenómeno gastronómico da Páscoa Transmontana, «a maior Feira da Bola de Carne da Páscoa e Pascoela».
 Na década de cinquenta do século passado, pobre ou rico, tinha que ter na mesa o «Folar». Se não o tivesse seria uma desonra ou sinal de pobreza extrema ou de alguma grande desgraça.
O que distingue os folares quanto aos conteúdos, já que irão haver umas jornadas gastronómicas em Valpaços nos dias 18, 18 e 20, dias de Feira e de Festa do Folar, são as massas que os confecionam.
Quanto à forma como se apresentam, podemos distinguir três tipos de folar: os feitos em tachos fundos, na parte sul do concelho (como o de Mirandela); em formas baixas mais caraterísticos do centro e poente do Município; e os sem forma, na parte Norte do concelho, típicos das Terras de Monforte de Rio Livre e com quem aprenderam (segundo ouvi a gente de Chaves) os povos das «Aquas Flavias», hoje flavienses.
 Por isso, amigo leitor, rume a Valpaços, nos dias 18, 19 e 20 de Março, irá encontrar o melhor Folar, do melhor vinho, do melhor azeite e do melhor «Bolo Podre» e outros mimos da região.


O «bolo podre» de Sta Maria de Émeres (da família Alcoforado - de amor freirático se for este apelido em Beja, mas a Junta de Freguesia de Sta M.ª também produz), é aparentado do «bolo dormido» de Mirandela e da «boleima» alentejana. Dos três, venham os deuses do Olimpo e escolham, que eu «atiro-me aos três», como dos melhores bolos secos que temos e dos mais populares do país. São três das grandes maravilhas gastronómicas e doceiras lusitanas.

 Votos de uma Páscoa Feliz,
 Jorge Lage


1 comentário:

  1. Gostei muito do texto! Que saudades de um belo folar (o transmontano, claro)

    ResponderEliminar