domingo, 10 de janeiro de 2016

Falando sério ...

 

Vasco Pulido Valente  - jornal Público

No meio da balbúrdia geral, é bom que, de quando em quando, se fale a sério.

Quaisquer que sejam as virtudes que tenha ou venha a ter o governo de António Costa, nunca se livrará do seu pecado original. O PS nunca anunciou em público e claramente a sua intenção de fazer, se fosse preciso, uma aliança parlamentar com o PC e o Bloco. A legitimidade e a constitucionalidade do arranjo que afastou a direita do poder não foram prejudicadas com isso: os nossos deputados recebem um mandato livre, não recebem um mandato imperativo. Mas, tudo visto e considerado, a manobra de Costa mudou unilateralmente o sistema partidário e com isso a natureza do regime. O novo sistema irá impor uma relação diferente entre os partidos, se não acabar mesmo por dividir a esquerda e a direita e tornar ingovernável o país. Embora não se note muito neste tempo de euforia da esquerda, que a televisão e os jornais servilmente reflectem, um pequeno solavanco basta para estabelecer o caos.
A Monarquia caiu com as cisões nos dois grandes partidos do regime, o Regenerador e o Progressista. Dali em diante a rotação pacífica entre estes dois membros do “arco governamental” não se reconstituiu com a tranquilidade do passado. Cem anos depois, se Costa falhar, um acidente que não parece improvável, não haverá maneira de o substituir ordeira e normalmente. Por um lado, o PSD ou, pelo menos, parte do PSD está em pé de guerra; e o CDS não cresceu e não se sabe ao certo para onde irá, sobretudo sem Portas. E, por outro lado, um descontentamento sério com o taumaturgo Costa atiçará, como de costume, as guerras da esquerda para além do sensato e do remediável.
É nesta situação que o último pilar do regime, a Presidência da República, está hoje à mercê de uma dezena de candidatos, nenhum dos quais Portugal respeita como uma indiscutível figura de autoridade política e moral. Este vazio que o PS e o PSD encorajaram e que a abstenção de algumas notabilidades reforçou é por si significativo, porque revela o pessimismo e o medo com que os putativos responsáveis do regime vêem o futuro. Evidentemente, a eterna cantilena da felicidade e da justiça que, ao virar da esquina, esperam o país continua como sempre com entusiasmo. Mas, de facto, as paredes da casa já começaram a tremer. O foguetório inaugural de António Costa não durará muito e na Presidência não ficará ninguém que leve atrás de si um solitário português. No meio da balbúrdia geral, é bom que, de quando em quando, se fale a sério.

Sem comentários:

Enviar um comentário