sábado, 10 de outubro de 2015

Um sorriso para ANTÓNIO TELMO

"A amizade é uma alma que habita em dois corpos,
um coração que habita em duas almas."
Aristóteles

                                                                                          "Quando a minha voz se calar com a morte
                                                                                           meu coração continuará te falando."
                                                                                           Rabindranath Tagore



Espiga Pinto e Manuela Morais, sua mulher
(de março de 2000 a 1 de outubro de 2014)
           Estamos no amanhecer de uma nova era na história da humanidade, o grande momento da expansão da espiritualidade. Um enorme despertar da humanidade para a força divina, para os Céus.
Encontrava o António Telmo assiduamente, em Vila Viçosa, quando eu corria apressadamente para os correios, ao fim da tarde.
Sorríamos, eu esperava que terminasse de comer a empada de galinha, e falávamos de livros, da Maria Antónia, da Anahí e, claro, do trabalho de meu Marido, o Espiga Pinto. Dizia-lhe, com humor, que o fechava à chave no atelier para trabalhar, como a mulher do Vermeer, o pintor do belíssimo retrato "Rapariga com  Brinco de Pérola".
Um dia contei-lhe que não podia entrar no atelier, porque o Espiga estava lá fechado com sete belas raparigas. António Telmo perguntou, com graça, se eu não sentia ciúmes. Claro que não, respondi pausadamente. 
Inteligente como era percebeu imediatamente do que se tratava. Então, mais para o fim da conversa, perguntou quando e onde era a próxima Exposição, pois queria ver as tais raparigas.
Fomos visitá-lo várias vezes a sua casa, em Estremoz. Não medíamos o tempo e era sempre com saudade que o deixávamos.
As nossas conversas, entre mim e o Espiga, não tinham fim.
Saíamos de casa de António Telmo carregados de informação sobre livros importantes, a não perder. Às vezes, no dia seguinte, rumávamos a Badajoz à livraria a procurar essas preciosidades.
António Telmo marcava profundamente quem se cruzasse com ele. A sua calma transmitia uma energia extraordinária. Até a laranjeira próxima da porta de sua casa era muito maior e mais frondosa que as suas vizinhas.
António Telmo sabia escutar atentamente. Os nossos encontros eram um aprendizado contínuo, tinha a capacidade de tornar  o complexo muito acessível. Era um Mestre em todas as circunstâncias, mesmo nos silêncios.
Como editora do seu livro "Contos Secretos" tive, sem dúvida, uma venturosa e iluminada experiência. O Espiga arregaçou as mangas para realizar o excelente trabalho dos desenhos para o seu belíssimo livro e vivemos a suprema harmonia dessa manifestação de força que transcende a compreensão humana.
António Telmo foi um exímio estudioso do significado e simbolismo do número 9 que representa o círculo místico perfeito. Pertenceu à mais antiga associação de homens do mundo. A continuidade não é concebível sem a Tradição e é ela que permite preservar a sua identidade. Era um Ser que habitava um lugar elevado, guiando os nossos passos e elevando os nossos espíritos a vibrações intensas, fazendo a ligação entre o Espírito e os lugares Sagrados. O seu Espírito era radiante e luminoso, caminhando na Ordem dos Grandes Mestres do Esoterismo. Toda a sua atitude era de um autêntico filósofo com lugar destacado na Filosofia Portuguesa, na Filosofia e Tradição, grande pensador, escritor, professor. Um Taurino com vontade firme, constância, persistência, determinado e contemplativo.
A sua Obra é notável. Pessoalmente, sinto-me mais próxima de "História Secreta de Portugal", "Viagem a Granada", "Filosofia e Kabbalah" e "Desembarque dos Maniqueus na Ilha de Camões".
(. . .)
                                                                                                                              Manuela Morais
(Texto Integral publicado em: Vida e Obra de António Telmo)

 

Sem comentários:

Enviar um comentário