terça-feira, 4 de outubro de 2016

O universo paralelo de António Costa


 

Ontem foi um dia interessante.  A direcção da bloquista Bárbara Reis, foi substituída, no jornal Público, pela de David Dinis. E nesse mesmo dia foi, nesse jornal, publicada uma entrevista de António Costa. São José Almeida foi a entrevistadora.
A dado passo diz-nos: “O investimento aumentou, o desemprego baixou, as exportações têm vindo a subir, a execução orçamental tem vindo a subir …”. E logo de seguida, tirando um coelho da cartola, vira-se para a jornalista, dizendo que foram criados “um excesso de mitos” que tem “um efeito pernicioso para a imagem do país no exterior”. Acrescentando “…temos de puxar o país para a frente e isso implica motivar o país com base na realidade e não com base nas fantasias e nos mitos…”. Acelera em patranhas sobre a “saída limpa” da troica, do crédito malparado, da legitimidade do governo, e manda as postas de pescada do costume: “O que vai permitir às nossas empresas serem mais produtivas é terem mais pessoal mais qualificado”. Para finalizar a costumeira “canalhice”: “É sabido que o nível de inflacção está baixo e que em 2018 temos previsto retomar as actualizações, bem como encarar as questões de fundo relativamente às carreiras”. Aos costumes nada diz.
No que diz respeito às afirmações sobre investimento, desemprego, exportações e execução orçamental, Costa deve viver noutro universo. Um universo paralelo, o da teoria da Fisica. Segundo os últimos dados do INE ( https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpgid=ine_main&xpid=INE&xlang=pt), nada do que Costa afirma lá consta. E, segundo parece, os Administradores que Sócrates, desde 2005 (um governo em que Costa foi ministro), colocou na Caixa e em determinados   bancos eram socialistas. Além do mais esse crédito malparado esteve sempre devidamente referenciado em relatórios pela governação que em Outubro de 2015 ganhou eleições. Mesmo com a jornalista a fazer-lhes referência, Costa insiste na patranha.
Como é que Costa quer motivar o país? Ele responde com as pantominas do costume: pessoal mais qualificado. Quando o recongelamento das carreiras (que foram congeladas por um governo socialista em 2005), primeira medida de Costa e parceiros do PCP e BLOCO, quando assinaram a papelada naquela marosca parlamentar, prejudica precisamente os mais qualificados!
Mas o dia de ontem trouxe outras surpresas. No parlamento português, um comissário europeu fez uma alusão ao dito DIABO (um segundo resgate), e vários deputados europeus o terão acompanhado no murmúrio.
Não terá sido por acaso que saiu ontem esta entrevista. 

Sem comentários:

Enviar um comentário